Há cerca de um mês, os agricultores que expõem seus produtos no Espaço Agroecológico das Graças estão vivendo uma situação que não combina com frutas, legumes e verduras livres de agrotóxicos.

Segundo o coordenador da feira, Rafael Braz, um prédio nas imediações da Rua Souza de Andrade fez uma obra recente, através da Compesa, e, como resultado, um cano começou a jorrar esgoto exatamente em cima das barracas.

Feira orgânica das Graças completa 20 anos

“É um mau cheiro terrível e temos o cuidado de não pisar, de não se molhar. O mau cheiro afeta a feira quase toda. Os clientes ficam com medo, achando que o produto vai ficar contaminado”, é o que diz Rafael Braz, que é agricultor e está na feira nas madrugadas de sexta para sábado, vindo de Bom Jardim.

Segundo ele, o jato não é constante, para e volta, nem tem sempre a mesma intensidade, ficando mais forte em alguns momentos, mas atrapalha bastante o movimento de fregueses.

Agricultores instalaram, por conta própria, um cano, para levar mais pra longe da feira o esgoto.

“Até sabado passado, o cano que a gente tinha colocado estava quebrando um galho, mas continua despejando esgoto, prejudicando nós da feira e as pessoas que nos procuram para comprar os produtos”, fala.

O PorAqui entrou em contato com a Compesa, que afirma que esteve no local na última quinta-feira (19) e resolveu o problema.

Veja a nota enviada para o e-mail da redação no fim da tarde desta quinta:

A Compesa informa que já solucionou o problema de esgoto na Rua Alberto Paiva, nas Graças, em frente ao número 173. A companhia realizou o conserto do ramal de esgoto ( tubulação que liga a caixa de inspeção à rede da rua) no imóvel, que estava danificado. Também foi providenciado o remanejamento de uma caixa de inspeção que estava dentro do Edifício Vidal de Negreiros, o que dificultava a manutenção da rede de esgoto da área. Foi construída uma nova caixa, desta vez, na calçada do imóvel, o que facilitará os serviços de manutenção, quando necessário. Os trabalhos foram finalizados hoje (19) voltando à normalização operacional do sistema de esgotamento sanitário da localidade.