Se você faz parte do grupo da Associação por Amor às Graças no Facebook, com certeza já viu os cliques de Helena Amaral, moradora das Graças há quase 30 anos, filhos crescidos e criados no bairro da Zona Norte do Recife.

Com a fotografia como hobby, Helena registra o bairro por diversos ângulos: desde pela janela do apartamento em que mora com o marido, pertinho da Fazendinha, até em suas saídas diárias pelas Graças.

Paisagem concreta do bairro

O que Michael Jackson e as Graças têm a ver com o destino de Flavioleta

“Tenho maior orgulho de morar aqui, adoro. Não sei se é porque meus pais, quando casaram, moraram aqui.  Eu acho que é um bairro muito bom, muito tranquilo ainda, apesar de alguns transtornos que a gente tem vez por outra. A gente encontra tudo aqui. Gosto muito de caminhar, de curtir as coisas do bairro”, fala Helena.

Casinhas quase no finzinho da Rui Barbosa

Em relação à fotografia, ela diz que gosta de tirar fotos “desde sempre”. “Na época da adolescência, eu não tinha máquina. Depois que eu comecei a trabalhar, comprei. Sempre tirava muitas fotos, naquele tempo que era com filme”, relembra ela, que gosta de tirar fotos nas viagens que faz.

Entrevista: Javier Martínez, um olhar argentino pelas ruas das Graças

Detalhes do antigo casarão onde funcionava o Hemope, no fim da Rua da Amizade

Segundo Helena, o celular facilitou muito a paixão dela. “Agora fica mais fácil, apesar da qualidade não ser tão boa. Mas estou sempre atenta em qualquer caminhada que eu faça, tô sempre observando. É uma coisa que eu tenho muito prazer em fazer, mas só como amadora”, analisa ela, que se inspira muito na arquitetura do bairro pra fazer os registros.

Piso na frente da Igreja das Graças