Nova data de entrega, nova licitação, nova empresa de engenharia e algumas modificações no projeto é o cenário atual da obra do Parque Capibaribe em sua segunda etapa, a Via Parque, no bairro das Graças, Zona Norte do Recife, cujas obras começaram em maio de 2017 e logo foram interrompidas.

Segundo a diretora de projetos da Autarquia de Urbanização do Recife (URB), Rúbia Campêlo, a obra deve ser reiniciada até dezembro deste ano, isso se der tudo certo com os trâmites da nova licitação, que terá que ser apresentada em agosto pela autarquia.

LEIA MAIS:

Parque Graças: o projeto, tintim por tintim

Rio Capibaribe: um zoo a céu aberto

A parada na obra se deveu a algumas situações encontradas pela empresa que venceu, em 2017, a licitação para área do projeto chamada  de Via Parque, que abrange um espaço que vai da Ponte da Capunga até a Ponte da Torre.

O Consórcio de Sociedade Quality/Trópico e Santa Cruz encontrou uma profundidade no solo, em certas áreas, de até 27 metros, que não correspondia ao projeto da obra, em que se dizia que a profundidade do solo ia até 23 metros.

Rúbia Campêlo explica que, por esse motivo, a empresa de engenharia decidiu desistir do projeto em fins do ano passado por conta dessas diferenças entre o projeto inicial e a realidade encontrada, com um possível aumento no valor licitado.

Segundo a diretora de projetos da URB, a população pode ficar tranquila que o projeto vai permanecer voltado para uma área de convivência à margem do Rio Capibaribe , com ciclovia, faixa para pedestre, mirante, entre outros.

Ainda de acordo com Rúbia, se correr tudo certo com o processo licitatório, ” a obra deve estar pronta em maio de 2020. O prazo continua sendo os 18 meses”.

O projeto

 

A obra cobre um trecho de 900 metros e trará para o bairro das Graças uma faixa única para carros, compartilhada com bicicletas e pedestres, nos trechos da Ponte da Capunga até a Rua Dom Sebastião Leme e da Rua Manoel de Almeida em direção à Ponte da Torre.

Também haverá  passarelas sob as pontes, um mirante na Rua Dom Sebastião Leme e dois píeres para embarcações.

Área de convivência, mirantes, passarelas, píer para pequenos barcos, arborização, parque infantil, mesas para piquenique, pista para pedestre, via para carros compartilhada com bicicletas – e o melhor, a baixa velocidade (30 km por hora!) -, quiosques, refúgio das capivaras… Vai dar até para fazer cooper sem precisar atravessar a Ponte da Torre. Segundo a URB, tudo isso segue no projeto.

Novidades

Para esta nova licitação, algumas novidades serão acrescentadas: as ruas das Pernambucanas e Sebastião Leme terão seus acessos modificados para facilitar a acessibilidade.

Se tudo correr bem, a obra deve ser entregue em maio de 2020, com um atraso de cerca de um ano e meio nas obras.