A construção da Via Parque, segunda etapa do projeto Parque Capibaribe, programada para começar no primeiro semestre de 2017, prevê a construção de um refúgio para as capivaras, além de um píer de observação.

O Jardim do Baobá, que fica por trás do Restaurante Papa Capim, na Av. Rui Barbosa, é o marco inicial do Parque Capibaribe, que prevê 30 km de extensão ligando o bairro da Várzea (Zona Oeste) ao bairro da Boa Vista (Centro), cortando, nesse percurso, 21 localidades da capital.

A próxima etapa é a Via Parque das Graças, no trecho entre as pontes da Capunga e da Torre. A promessa é a implantação de jardins, praças, brinquedos, varandas e uma passarela de acesso ao rio. Uma ciclovia e uma pista para pedestres também estão previstas.

Diferentemente do projeto original, que previa quatro faixas para automóveis, o projeto atual prevê apenas duas faixas de rolamento, que funcionarão como Zona 30, igual do Recife Antigo. 

O que fazer se eu avistar uma capivara?

Como os bichos são bastante dóceis, é preciso ter alguns cuidados no convívio com eles. A professora do Departamento de Biologia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Ednilza Maranhão dos Santos explica que é importante tomar certas precauções para não assustá-los. 

“Não devemos fazer nada ao avistarmos uma capivara, apenas contemplar a natureza de longe, sem se aproximar ou tentar pegar os filhotes. Caso esteja em uma residência ou ruas edificadas longe do rio, ligar para a CPRH (setor de fauna) ou Bombeiros para fazer o resgate e retirar o animal do local. É importante evitar contato, já que a lei proíbe o contato com animais silvestres", ensina.

Ednilza também alerta para o risco de contrair doenças se houver contato físico com o animal.

CPRH: (81) 3182.8800
Bombeiros: 193

LEIA TAMBÉM: Capivaras encantam moradores das Graças


O jornal de bairro evoluiu. No PorAqui, você encontra estações de conteúdo hiperlocal e colaborativo.

Baixe agora o app gratuito e cadastre-se: Android e iOS

Sugestões e colaborações: gracas@poraqui.news