Beijo, rebeldia & pacifismo: Quando a Copa do Mundo ultrapassou as 4 linhas