A pouco mais de sete meses para o dia do seu desfile, o Galo da Madrugada dá sinais de que está a todo vapor em sua preparação. O 41º ano do maior bloco carnavalesco do mundo vai homenagear a força feminina que está presente nos desfiles desde 1978.

Leia também

Varanda do Galo: onde Carnaval e paladar se misturam

Além das várias cantoras que se apresentam em cima dos trios, se destacam também as centenas de mulheres que trabalham nos bastidores e as milhares que se espalham pelas ruas do Centro do Recife sempre no Sábado de Zé Pereira. As matriarcas são apontadas nos nomes de Carminha Freire e Elizabeth Menezes, presentes desde a fundação do bloco.

Mas o Galo lembra ainda outros nomes que estão há décadas contribuindo para o desfile. Ana Nery Meneses, Albertina Freire, Badia, Carla Menezes e Danielle Twedberg. Além disso, se fizeram presentes na apresentação do tema Frevo Mulher, as cantoras Cinthia Barros (Banda Luará), Gerlane Lops, Nadia Maia e Fabiana Pimentinha.

“A gente viu que falta uma homenagem a uma figura protagonista importantíssima no Galo da Madrugada, que são as mulheres. Desde as matriarcas, que apoiaram o surgimento, as que estão trabalhando até hoje nos bastidores e as artistas, que trazem a beleza, o talento e principalmente a garra, porque aguentar um desfile do Galo da Madrugada não é pra qualquer um”, explica o presidente do bloco, Rômulo Meneses.

“Desde as fantasias de papel, que eram feitas dentro da casa de Dona Carminha e da casa de Dona Elizabeth, que nasceu o Galo da Madrugada, a mulher tem uma força e uma importância não só no Galo como no Mundo”, comenta Gerlane Lops.

“É importante que a gente exalte isso. Tem muita mulher sendo machucada, a maioria das vezes pelo próprio marido. Então tá na hora da gente transformar isso, e o Galo da Madrugada tá dando essa oportunidade pra que a gente possa ter voz e transformar essa tristeza em alegria”, completa a sambista.