Era época de zip.net, de Fotolog, de Orkut, de ICQ. Vendo em retrospectiva, parecia que ninguém sabia se vestir direito e que todo mundo usava flash demais nas fotos. Mas, olha, como a gente se divertia! Uma listinha para relembrar  as festas e pistas ~alternativas~ dos anos 2000.

Elfos/Ultra 2K

Para muita gente hoje na faixa dos 20 e muito e dos 30 e poucos, essa foi a primeira balada de verdade, ali por volta de 2002/2003. Capitaneadas pelo DJ Nixon, as duas boates no Recife Antigo reuniam jovens muito jovens (muitos ainda menores de idade ou você não ficou procurando conhecidos naquela capa da Folha de Pernambuco*?). Era música eletrônica e música pop: relembre nesta playlist aqui.

Festa Sem Loção acontecia no Francis Drinks. Foto: Reprodução

Boratcho

Que pista! Como era bom tomar umas doses de tequila e ir dançar loucamente naquela pista pequena e suada. Nas quintas-feiras, tinha a festa Sem Noção, que começou em 2004. Tinha também a Sopa Diário e shows de bandas (quem lembra da belga Think of One?). E, claro, tinha muita paqueragem. Em 2014, depois de 15 anos de atividade, o Boratcho fechou. No local, hoje funciona o Haus. Saudades.

A pista do Boratcho era animadíssima! Foto: Boratcho.zip.net/Reprodução

Francis Drinks

Ainda hoje na ativa, a Festa Sem Loção, dos djs Lala K, Rebel K e Felipe Machado, começou em 2008 e enchia o Francis Drinks ali perto do Marco Zero. As festas tinham filas enormes do lado de fora. Além da fila, era um calor gigantesco e muitas vezes banheiros sem portas. Ninguém reclamava e as festas iam até de manhã. A Sem Loção ainda acontece esporadicamente, mas o Francis fechou. 🙁

Foto: Reprodução

Putz!

No comecinho do que seria o império de festas Golarrolê, em 2006, a Putz! era uma baladinha com ares modernos, divertida e dançante. Com música eletrônica e vibe meio dark, acontecia em vários locais da cidade. Teve até em uma lona de circo nas Graças, nas margens do Capibaribe, onde hoje tem uma concessionária e antes era o Circo Maluco Beleza.

Acre ficava na Rua da Aurora. Foto: Flickr

Acre

Em junho de 2009, o Acre surgiu como um sopro de ar fresco na cidade: de dia, loja de roupas autorais, cafeteria e tabacaria. À noite, aquele diminuto primeiro andar na esquina da Rua do Lima com a Rua da Aurora recebia as mais disputadas baladinhas. Entre as festas que aportaram por lá, a Neon Rocks e a La Tabaquera, além de DJ Dolores, Leon Selector e tantos outros.

*Em 2003, a Folha de Pernambuco fez uma matéria de capa com uma foto da Elfos devido a uma batida policial que houve lá, por conta da presença de adolescentes no local.