Seu nome de batismo é Antônio Coelho Meireles, mas o poeta, cronista, orador, genealogista e historiador, conhecido como Frei Antônio de Santa Maria Jaboatão, ou simplesmente Frei Jaboatão, nasceu na cidade que leva o seu nome, na época, conhecida como Santo Amaro do Jaboatão.

O Frade viveu entre os anos de 1695 e faleceu na Bahia em 1779. Filho do Sargento-mor Domingos Coelho de Meireles e Francisca Varela, é considerado um dos três maiores genealogistas do século XVII. Sua principal obra foi o Catálogo Genealógico das principais famílias que ascendem dos Albuquerques e Cavalcantis, em Pernambuco, e os Carumurus, na Bahia.

Aos 22 anos, entrou para a Ordem dos Franciscanos. Na época, estudava na Convento de Santo Antônio do Paraguaçu, na Bahia. Formou-se oito anos após sua entrada. Foi membro da Academia Brasílica dos Esquecidos, uma espécie de academia de letras do Brasil Colônia. Sua origem esteve conectada aos primeiros movimentos nativistas que adversavam contra os portugueses.

Quem foi Bernardo Vieira de Melo?

O seu título mais famoso, o Novo Orbe Seráfico Brasílico, também chamado d’A Crônica dos Frades Menores da Província do Brasil, foi impresso em Lisboa, em 1761, e reimpressa por ordem do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Novo Orbe Seráfico ou Crônica dos Frades Menores da Província do Brasil

Durante sua vida, também foi Mestre dos Noviços no Convento de Santo Antônio de Igarassu. Lecionou filosofia na Bahia. Foi Guardião (superior religioso do convento) na Paraíba e Conselheiro e Cronista da Província. Pertenceu também à Academia Brasílica dos Renascidos. Após sua morte, aos 84 anos, foram encontrados diversos títulos inéditos, como o “Discurso histórico, geográfico, genealógico, político e encomiástico”, Sermão de Santo Antonio, em “O dia do Corpo de Deus”, Sermão de S. Pedro Martyr, pregado na matriz do Corpo Santo do Recife e Lisboa, Sermão da Restauração de Pernambuco do domínio holandês, pregado na Sé de Olinda e “Jaboatão Místico” – uma coletânea de sermões.

Jaboatão era Moscouzinho e teve o primeiro prefeito comunista do Brasil

Referência: Jaboatão: Histórias e Lutas, de Adriano Marcecena