O romance Depois da curva do S, ambientado no bairro de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, escrito pelo jornalista Gil Luiz Mendes, entra em campanha para finalização e impressão através da plataforma de financiamento coletivo Catarse, nesta quarta-feira (21). As contribuições podem ser feitas a partir de R$ 10 aqui.

Morando atualmente em São Paulo, sua terra natal, Gil não esconde sua paixão por Pernambuco, onde morou durante 27 dos seus 31 anos de vida. Com dois livros lançados, o ‘Palas’, que reúne os contos e cantadas inusitadas ouvidas no Recife; e um coletivo, o ‘A maior cidade pequena do mundo em linha reta’, o jornalista retoma suas origens entre Piedade e Barra de Jangada.

Candeias

A história se passa no primeiro semestre do ano de 1999. “O livro traz cenários e momentos que não existem mais no bairro, como o Bar da Neném, o Tocaia, As Perdidas de Candeias (extinto bloco carnavalesco), e relata um pouco de como era ser adolescente naquela época, quando o bairro oferecia poucas opções de lazer e o que reinava eram as festas embaixo dos prédios, além do perrengue que era ser novato em um bairro onde a maioria das pessoas se conheciam desde de criança”, destrincha Gil.

A arte do livro é assinada pelo artista visual Wictor Bernardo

Narrado em primeira pessoa, duas personagens intercalam-se para contar os fatos que acontecem na trama sob os seus diferentes pontos de vista.

Sobre Candeias, o jornalista sabe que é clichê, mas mesmo morando em São Paulo, afirma que o bairro não sai dele. “Cheguei com menos de um ano de idade e morei lá por 27 anos. Memórias afetivas, das pessoas, dos lugares. Nunca quis perder esse sentimento de saber de onde eu vim. Tanto é que tenho uma tatuagem com o nome do bairro. O livro traz um pouco desse sentimento meio territorialista”, recorda.

Apesar de estar longe de ser algo biográfico, segundo o autor, cada personagem e passagem da história é inspirada em muita gente e em causos cotidianos do bairro. Isso nem foi tão intencional, mas quanto mais eu escrevia, mais essas memórias surgiam. Depois do livro pronto e compartilhando isso nas redes sociais, as pessoas que moraram ou moram em Candeias, me lembraram de mais pessoas e mais passagens, que de alguma forma também poderiam ter entrado na história”, explica.

Gil Luiz Mendes e o artista visual Wictor Bernardo são parceiros desde o primeiro lançamento | Foto: Lumos

Financiamento

O livro será lançado pela editora Badoque Livros, encabeçada pelo próprio Gil, que lança seu segundo título (na época do primeiro ainda não existia a Badoque). A meta é de atingir R$ 5 mil para custear a impressão dos exemplares, diagramação, catalogação, os brindes entregues aos contribuintes exigidos pelo método, e taxas da plataforma. As contribuições podem ser feitas a partir de R$ 10 através do link.

“A campanha vai rolar até meados de abril e a intenção é lança-lo no mês de junho, em Candeias”, afirma.