Nascido na comunidade de Jardim Piedade, no bairro de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, Hemerson da Silva Ferreira, mais conhecido como Mc Tocha, iniciou sua carreira na música há 10 anos. Tocou por quatro anos nas noites pernambucanas, até formar a dupla Tocha & Dadá Boladão. Separados desde 2016, Tocha segue carreira solo. Do bairro litorâneo da zona sul jaboatonense, para headline do sábado de Carnaval, ele é o primeiro artista do brega-funk a pisar no palco do Rec-Beat.
“Pra mim é uma honra poder representar a bandeira do meu ritmo, ainda mais por estar a primeira vez num evento como o Rec-Beat. Tô com o sentimento de dever cumprido. A notícia foi muito boa, melhor ainda por ser o primeiro a fazer essa parada”, disse Tocha sobre suas expectativas ao convite.

No ano em que o Maguebeat completa 25 anos, celebrando um momento de extrema ebulição da cultura pernambucana, que eclodiu na concepção do próprio festival, Antonio Gutierrez, também conhecido como Gutie, lembra que o movimento era tão periférico e underground como o brega-funk.

O brega-pop coreografado de Eduarda, a sedutora

Olhar para periferia

“Demorou anos para que Mundo Livre, Nação Zumbi, Otto, subissem num palco tão importante como o do Marco Zero, e até mesmo de Boa Viagem. Temos que olhar para o que está acontecendo na periferia do nosso país, da cidade, do continente, para a África e nossas relações históricas. Porque hoje pode ser um ritmo valorizado, mas até o samba passou por esse preconceito, ou mesmo o funk carioca”, lembra Gutie.
Tocha não é daqueles artistas que você encontra no wikipedia. Ao “dar um google” no seu nome, as primeiras referências são seus próprios clipes no YouTube. Para ter uma ideia do número de visualizações, Johnny Hooker, também headline do Festival, no seu recente videoclipe ‘Flutua’, com participação especial de premiados atores e da cantora Liniker, além de tocar diariamente na vinheta da GNT com diversos artistas globais, atinge atualmente pouco mais de um milhão e meio de visualizações.

Sem imposição mercadológica

Mc Tocha, com o registro audiovisual de ‘Paralisou’, produzido por Thiago Gravações, caminha para sete milhões de views. “Estamos sendo pioneiros com o movimento (brega-funk) e vejo que as pessoas também estão reconhecendo. Tão frequentando e consumindo sem imposição mercadológica. Seria arrogante do festival fechar os olhos para isso. Sempre nos pautamos por ser um evento inquieto e não acomodado. O que mantém o festival é essa inquietação. Se programarmos apenas o que for hypado, não teremos cumprido a função de ser um espaço democrático”, explica Gutie.
 Tocha promete um show diferente com muitas dançarinas no palco e colocar todo mundo pra descer até o chão. “Vou mostrar a minha raiz. Vamos começar o show com nosso ritmo, mas vamos tocar também frevo e talvez alguma de Alceu. Tamo preparando um show legal pra geral”, agita Tocha.