Mais de 120 tartarugas seguiram em direção ao mar na manhã desta terça-feira (22), na praia de Piedade, no Jaboatão dos Guararapes. O trabalho de monitoramento e direcionamento é realizado pela equipe da Secretaria Executiva de Meio Ambiente e Gestão Urbana –  Semag, liderada pelo ambientalista e chefe do núcleo, Adriano Artoni.

Desde 2005, Artoni realiza o monitoramento das espécies que chegam ao litoral jaboatonense. A atividade consiste em ações de identificação e categorização das tartarugas que desovam na orla, monitoramento e acompanhamento, além de agir como facilitador, encaminhando-as para o mar. “São quatro tipos de tartarugas que desovam aqui no litoral: cabeçuda, verde, oliva e pente. Dessas, 90% dos ninhos são da tartaruga-de-pente. O restante é um ninho ou outro em pontos estratégicos”, explica.

De janeiro até maio, foram aproximadamente três mil filhotes monitorados. Esse montante ainda não consta o número dos ninhos ainda não identificados. O período de desova dos animais é entre setembro e maio, podendo nascer nos próximos de 45 a 60 dias seguintes após a ação da mãe. Segundo Artoni, uma tartaruga desova entre 80 e 200 ovos por postura, termo técnico que designa o período gestacional, que varia entre três e seis ninhos, sejam no Havaí ou na praia de Piedade.

Conheça o trabalho da ONG PetPE em Candeias

“Com o aumento da engorda da praia, o número de tartarugas aumentou, mas não dá para dizer quantas vão chegar à idade adulta. É necessário que, além dos próprios animais, banhistas e pescadores tenham consciência das ações. Elas podem acabar enganchando numa rede de pesca, por exemplo”, explica, e reitera durante a explicação aos curiosos que passavam no local que, na noite passada, a cerca de proteção foi violada e o ninho teve alguns ovos roubados.

Adriano Artoni indica o caminho do mar | Foto: Chico Bezerra/PGJ

Futuro

Na ocasião, alunos do Colégio Souza Leão e da Rede Estadual de Ensino, estavam presentes para acompanhar o nascimento dos filhotes. “São as futuras gerações. Se não fizermos isso hoje, teremos um impacto muito maior. Precisamos fazer um trabalho de educação com a Prefeitura, soltura das tartarugas e viver ecologicamente corretos. O benefício é para as crianças e para todo mundo que usa a praia”, conscientiza o ambientalista.