Tomar uma no Bar do Amaro, chamar o Paiúda’s de Bar da Galinha, comer uma sarapatel no Pedritos, almoçar domingo no Cantinho da Paz, comprar confeito em Seu Feitosa e pedir um Nhonhão em Sassá. Gritar “No muro azul desce, motô” e entrar na Jangadeiro, jogar sinuca no Bar da Neném, jogar playtime no Capitain Logan, se vestir de mulher nas Perdidas de Candeias, brincar São João na quadrilha da Janju, cantar as paródias d’O Sol Tá Massa, ouvir o voz e violão de Neto Brayner no Beto´s Bar, jogar bola no Campo da Ladeira, no campo do Botafogo e da Candelária.

Marcar encontro na Sorvetelli, comer pizza na Siciliana, pular o muro para entrar nas festas de house do Zuleide, dizer que vai à praia, ficar no D’Bob e nem botar o pé na areia. Chamar a Francisco Pessoa de Melo de rua da Árvore, a Castelo Branco de Três Faixas e a Ulisses Montarroyos de Comercial.

Dançar pagode com a Sem Razão, ter tido uma banda e tocado no Madeirão, ter uma banda e ensaiar no Magazine, lutar judô em Sandro Ferraz e pegar fila no caixa eletrônico do Bompreço. Encontrar todo mundo do bairro no Bompreço, não saber se a Curva do S fica na Bernardo Vieira de Melo ou nas Três Faixas, já ter andado na cadeira de rodas de Toninho, passar o Réveillon na praia, jogar bola com a maré seca e fazer cooper no canteiro central das Três Faixas.

Comprar artigos de papelaria na Cia do Estudante, passar uma hora e meia esperando o Candeias/Dois Irmãos, passar mais uma hora e meia dentro dele, e Chamar o 072 – Candeias (Opcional) de geladinho.

Aprender a dar mortal no Areal, pegar peixe-beta na Lagoa do Náutico, chamar a Lagoa Olho D’Água de Lagoa do Náutico, tomar o caldinho de feijão de Marlene na Praia, levar a namorada no Crystal, levar a boyzinha no Monza, Perguntar para o cobrador se ele faz por cinquenta centavos até a Curva, perguntar para o cobrador se ele faz por cinquenta centavos se for na mala, levar carreira de uma manada de boi em alguma rua depois da Comercial, colocar uma ficha na radiola do Tocaia, comprar pão na Santo Cristo, pisar em sargaço durante o verão, não saber onde termina Piedade e começa Candeias. Não saber onde acaba Candeias e começa Barra de Jangada.

“Depois da curva do S” é o terceiro livro do escritor Gil Luiz Mendes | Foto: Maria Júlia Brito

Texto do jornalista e escritor Gil Luiz Mendes. Recentemente lançou seu terceiro livro, intitulado “Depois da Curva do S”: um romance ambientado no bairro praieiro de Candeias, no Jaboatão dos Guararapes.