Não há como escapar: a idade vem, a “boa idade” chega e cada um de nós precisa de carinhos e cuidados para levar a vida quando o tempo – aquele que não para – dá seus sinais de avanço. A dinâmica pode até mudar, mas o desejo de receber amor segue conosco até o fim.

Há um lugar todo especial em Jardim São Paulo onde esse amor é prática cotidiana e que acolhe, de braços e coração abertos, idosas que, ao longo da vida, já cuidaram tanto dos seus entes. Hoje, elas são cuidadas. 

O Abrigo Espírita Batista de Carvalho – ou Lar das Vovozinhas – é referência no bairro, pelo trabalho que desenvolve com essas senhoras que escolheram o espaço como seu novo lar.  

Prestes a completar 91 anos de fundação – foi criado em 24 de junho de 1926 –, o abrigo fica na Av. São Paulo, nº 373. Atualmente, 22 idosas moram lá, mas o abrigo tem capacidade para atender até 30.

Área de convivência comum e muitas histórias pra ouvir das vovós. (Foto: Leonardo Vila Nova)


O espaço, grande e bem cuidado, tem uma estrutura toda preparada para recebê-las. Quartos, ampla área de convivência, cozinha, banheiros (um, exclusivo para banho), despensa, ambulatório.

E para fazer o espaço funcionar, o Lar conta, atualmente, com nove funcionários: serviços gerais, limpeza, cozinha, lavadeira e cinco técnicas em enfermagem, além dos voluntários formalizados.

Para a “vó” que quer morar lá, alguns critérios devem ser seguidos. “A gente só recebe uma idosa com o parente trazendo. Seja um filho, um sobrinho, um primo”, diz Tereza Silva, dirigente do espaço. “Tem que ser da vontade dela querer ficar aqui. Ela vem aqui antes, conhecer o abrigo. A gente faz uma entrevista e pergunta se ela quer ficar”, pontua.

Outra exigência é a avaliação de saúde que é feita antes da idosa ingressar no abrigo, com um médico (voluntário) que atua no local. Segundo Tereza, essa é uma precaução necessária, uma vez que há idosas que necessitam de atendimento diferenciado. “Mal de Parkinson e Alzheimer, a depender do grau, necessita de cuidados especializados, que só um hospital pode dar”, lembra.

Todo o material das idosas é organizado com o nome de cada uma delas. (Foto: Leonardo Vila Nova)

Ao ir morar no Lar das Vovozinhas, a idosa recebe todo cuidado e carinho necessários. Todas têm seis refeições diárias. Mas, para aquelas que possuem problemas de saúde – como diabetes e hipertensão – a comida é personalizada.

Ao longo do ano, também são realizadas festas para elas. Carnaval, Páscoa, São João, Natal, etc. Tudo para alegrar as vovós. Os dias de visita também são especiais. Todos os domingos e feriados, das 14h às 16h, elas recebem o carinho de quem vai vê-las. Já às quartas-feiras há um horário especial, e mais reservado, apenas para os parentes.

A alegria de viver está estampada no sorriso de muitas delas. Helena Maria da Conceição 76 anos, é uma das mais animadas. “Aqui é mesmo que estar no céu, é maravilhoso! Se eu pudesse, tinha vindo desde criança”, diz, entre uma gargalhada e outra.

Para Filonila Gomes Costa, a Filó, 75, o melhor são as festas, com músicos convidados. “Vem sanfoneiro, gente que toca violão. E aí o pessoal dança. É muito bom! Pra mim, não tem idade pra gostar de brincar, e eu gosto muito”, conta.

MANUTENÇÃO DO ESPAÇO E ARRECADAÇÕES

Cada idosa que vive no Abrigo Espírita Batista de Carvalho paga uma mensalidade. Mas, segundo Tereza Silva, ainda assim, o valor não cobre todos os custos. Por isso, são realizadas
campanhas de doação para dar suporte ao abrigo.

Todos os domingos, em vários bairros, é realizada a Campanha do Quilo, que se destina a recolher contribuições (seja em dinheiro ou alimentos), que são distribuídas entre vários abrigos. E o Lar das Vovozinhas também realiza, todo segundo domingo do mês, a sua própria campanha, com todos os recursos destinados exclusivamente para lá.

O Abrigo também está aberto diariamente, para o recebimento de doações. As maiores necessidades são materiais de limpeza e higiene pessoal. Mas alimentos também são sempre bem vindos.

O Abrigo Espírita Batista de Carvalho – Lar das Vovozinhas fica na Avenida São Paulo, nº 373, Jardim São Paulo.
O telefone é o 3251-1777.