Um das mais raras riquezas naturais em área urbana do Recife é símbolo do descaso do poder público. A Lagoa da Boa Ideia, no bairro de San Martin, encontra-se totalmente degradada, colecionando uma série de problemas. Desde a década de 1980, moradores da região vem batalhando junto à Prefeitura pela sua revitalização. Até agora, sem sucesso.

Ao chegar na região, não se vê a Lagoa, mas um imenso matagal, que vem crescendo sem nenhum tipo de cuidado. Algumas poças de água ainda brotam às margens, mas, ainda assim, com uma aparência suja, uma vez que alguns pontos de esgoto sanitário podem ser vistos em volta.

Água suja e escura brota da Lagoa da Boa Ideia (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

Com o crescimento do mato, algumas espécies animais vêm surgindo na área. Iguanas, timbus, tartarugas e jiboias, em alguns casos, começam a entrar nas casas dos moradores do entorno. “Muita gente daqui, muitas vezes, é surpreendido com jiboias que já estão dentro de casa”, conta a aposentada Giselda Seixas.

A ação humana também vem prejudicando a Lagoa. O depósito de lixo no local é sinal da falta de cuidado de quem mora por perto. Uma ocupação irregular que vem se instalando em volta da Lagoa é flagrante. Assim como o aterramento da mesma, que vem servindo, em alguns casos, como estacionamento de veículos.

Pneus e caminhão velho estacionado à beira da Lagoa mostram o descaso (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

“Além disso, acontece muito tráfico e consumo de drogas aí no local, expondo a gente à insegurança”, destaca Giselda. A falta de iluminação na área é outro ponto lembrado pelos moradores.

Diante de tanto descaso, por volta de 2010, foi criado o MALBI – Movimento Amigos da Lagoa da Boa Ideia, grupo que vem se mobilizando para atuar junto ao poder público para reivindicar a revitalização da Lagoa.

Ocupações irregulares tomam conta das margens da Lagoa (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

Em 2012, esse sonho parecia estar perto de acontecer. Foi aprovado no Orçamento Participativo o projeto que, finalmente, daria uma solução à área. Mas, até hoje, não saiu do papel.

O projeto previa pavimentação e drenagem da área, calçadas com acessibilidade e a instalação de um parque no local. “Ano após ano, a Prefeitura vem empurrando esse projeto com a barriga. Da última vez, esse ano, disse que não tinha dinheiro pra fazer”, afirma Josué Valdemar, que está, atualmente, à frente do MALBI.

Já foram realizadas várias audiências públicas e reuniões junto com os órgãos envolvidos e mediados pelo Ministério Público de Pernambuco para apressar a solução. No início do ano, uma recomendação foi expedida pelo MP-PE para iniciar as intervenções na Lagoa. Não foi seguida.

Moradores da região, como dona Giselda Seixas, convivem diariamente com a Lagoa degradada (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

No último dia 4 de maio, em uma reunião com os órgãos públicos (representando a Prefeitura, estavam a URB, Emlurb e Dircon),  “ficou acertado que os órgãos públicos devem promover, cada um dentro das suas atribuições, operação conjunta para a retirada de ocupações irregulares, limpeza e iluminação da área, no prazo de 90 dias”, informou o MP-PE.

“A gente queria que a Lagoa fosse um lugar de convivência, bem cuidado, onde as pessoas pudessem passear em volta”, diz Giselda. “Um bom exemplo disso é a Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, que é da população e tem toda aquele cuidado em volta”, continua Josué Valdemar.

Quem resolve?
Sobre o esgoto que é despejado na Lagoa da Boa Ideia, a Compesa respondeu que “mediante diagnóstico em campo realizado por equipe BRK não foi identificado sistema de esgotamento sanitário no local”. A reportagem esteve na área e contou, pelo menos, quatro pontos de esgoto de que se direcionam à Lagoa.

Ainda na sua resposta, a Compesa informou que a Lagoa da Boa Ideia “não é contemplada com rede de esgotamento sanitário. Mas, o local irá fazer parte do Programa Cidade Saneada (PPP do Saneamento), que vai ampliar o serviço de esgotamento sanitário no Recife.

Já a Prefeitura do Recife enviou, em resposta, uma nota conjunta, assinada pela Emlurb, URB e Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente.

Na nota, explica que, em 2015, a Emlurb “iniciou um estudo com o objetivo de desenvolver um projeto de requalificação da Lagoa da Ideia”, mas a atribuiu à crise econômica a não execução do projeto que “está suspenso e sendo reavaliado”. O projeto seria executado pela URB. A nota não sinaliza qualquer data para o início das

Sobre a limpeza da Lagoa, a Emlurb ainda “esclarece que a coleta domiciliar no entorno da Lagoa da Boa Ideia está regular”. Em nota, diz também que a remoção de entulhos é realizada periodicamente.

Com relação à capinação da Lagoa, informa que “a fiscalização da Emlurb realizará uma vistoria para identificar a situação da área”.

Sobre a iluminação pública do entorno, a Emlurb diz que será realizada uma vistoria para avaliar o sistema.

Ainda na nota, acrescenta que a Lagoa da Boa ideia é uma APP (Área de Preservação Permanente), por abrigar um olho d’água. Isso determina algumas restrições par intervenções na área, com o objetivo de se manter suas características natuais.

Informa que o setor de fiscalização da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente “realizou no dia 11 de maio e 2017 uma vistoria no local, identificando a ocupação irregular do terreno, que possui vegetação rasteira e espécies arbóreas exóticas (que não são nativas)”.

Ainda sobre a ocupação, acrescenta que “a Secretaria trabalha aliada com outros setores da Prefeitura, Polícia Militar e Ministério Público de Pernambuco para encontrar solução para a invasão”.