Em todo o Brasil há gente celebrando hoje o Dia dos Namorados. E há quem celebre esta data há 52 anos: seu Rildo e dona Rizé. O casal apaixonado que se conheceu em Jardim São Paulo e que vive firme e forte o seu amor até hoje.

Eles se conheceram na Igreja Matriz de Jardim São Paulo, durante uma missa. Um olho no padre e outro no futuro par. “Eu na porta, e ela, do outro lado. E eu paquerando ela, me admirando da beleza dela, o rostinho meiga”, conta Rildo, que hoje tem 76 anos. “Quando eu o conheci, foi amor à primeira vista. Eu me apaixonei logo”, diz Rizé, com 70.

A troca de olhares continuou e o envolvimento do casal teve um “empurrãozinho” de uma amiga em comum, Elza. “Ela me conhecia e conhecia a família de Rizé. E dava boa impressão de mim e da minha família pra ela. E fomos nos aproximando mais ainda devido a Elza”.

Rildo e Rizé estão juntos há 52 anos (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

Foi em uma festa de São João que Rildo e Rizé se falaram pela primeira vez. Dançaram quadrilha juntos e, logo em seguida, ele falou em namoro. “Hoje em dia, chamam de ‘ficar’, né? Naquela época era namorar mesmo”, conta Rildo.

Rizé morava com os avós e foi a eles – em especial, à avó, que era bastante rígida – que Rildo pediu autorização para o namoro. E era sob os olhares atentos da família que eles se encontravam na casa dela. Até mesmo as mãos dadas eram observadas pela avó. “Era um sufoco mesmo”, diz Rizé.

Mas, ainda assim, às vezes, eles conseguiam dar umas “escapadinhas”. “Uma vez, ele foi me buscar no colégio e a gente acabou indo pro cinema”, lembra ela.

Entre namoro e noivado foram seis anos. “Foram seis anos de espera”, confessa ela. “Mas foi uma bênção, viu? Ele foi meu primeiro namorado”, diz Rizé, tímida, mas não escondendo o sorriso no rosto.

Rildo e Rizé mantem a paixão viva até hoje (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

Rildo foi morar com Rizé, na casa onde ela vivia com a família, na Estância. “Era ela quem sustentava a família. Ia ser ruim ela deixar os avós e ter duas despesas. Então, fui pra lá”, diz ele.

Da união, nasceram os filhos Patrícia, 47 anos, e Neto, 41. Do mais, novo, vieram os três netos do casal. A família se mudou bastante: depois da Estância, vieram para Jardim São Paulo. Passaram seis anos morando em João Pessoa (PB). Depois, voltaram para o Recife. Novamente, em Jardim São Paulo.

“A admiração e o respeito existem. Mas a convivência diária é muito importante”, diz Rildo “Há lutas, há problemas, como existe com qualquer casal. Mas o amor é muito grande”, diz Rizé. “É um amor eterno!”, faz questão de ressaltar.

Rildo e Rizé no dia do noivado (Foto: cedida por Patrícia Maia Azevedo, filha do casal)

“Até hoje, tem vezes que ele chega pra mim e diz ‘você é linda!’ e se declara”, conta Rizé sobre a paixão do eterno namorado, um romântico inveterado.

O amor pela esposa vem, por vezes, em forma de poesia. Os versos de amor e carinho ele escreve com as letras que formam o nome dela:

Realmente, uma grande mulher

Irradiando simpatia

Zoneando o meu coração

Encontrando sempre todos os dias no nosso lar, e nos amamos

“Cultivar o amor. É assim que vai frutificando ainda mais a união entre a gente” é o recado de Rildo. E hoje é mais um Dia dos Namorados para fazer renovar essa história. Hoje e os outros 364 dias do ano. Há 52 anos eles vivem isso… e se amam.