No bairro do Guadalupe, localizado em um Sítio Histórico que não está nos cartões postais de Olinda, um terreiro de matriz africana e afro-indígena está há 20 anos ressignificando a própria comunidade a partir da força encantada dos orixás. Neste sábado (02), a partir das 19h, Mãe Beth de Oxum e Quinho Caetés, principais referências do Coco de Umbigada, preparam uma grande festa para celebrar esta data.

“Com ou sem greve, a Sambada de Coco vai acontecer. É uma festa comunitária. O combustível é a alegria e a colaboração da nossa comuna. Vinte anos de pura resistência”, convoca Mãe Beth de Oxum para o evento. Quem já sentiu na pele a pressão da zabumba secular do Coco de Umbigada já sabe a brincadeira que está sendo reservada para esta noite/madrugada especial.

As memórias de Maciel Salú quando a Casa da Rabeca era apenas um sítio

É no Beco da Macaíba que a umbigada rola solta. Foto: Divulgação/Facebook

Espaço ao ar livre onde todo primeiro sábado do mês acontece as sambadas de coco, o Beco da Macaíba dessa vez receberá importantes representantes do gênero para comemorar este importante dia para a cultura de rua brasileira.

Além do próprio Coco de Umbigada, a tradicional sambada do Guadalupe contará também com as batidas ancestrais do Coco das Mulheres, Mestre Zeca do Rolete, Coco Irmãs Lopes, Dona Glorinha do Coco, Coco da Resistência e Coco Batuque das Morenas.

Zeca do Rolete, da comunidade do Tururu (Janga), é um dos convidados. Foto: Divulgação

O encontro é uma oportunidade para crianças, jovens, adultos e idosos do entorno e visitantes locais e não locais, consagrarem mais uma vez os orixás do Candomblé e as entidades da Jurema que tanto são abafados pelas narrativas hegemônicas.

Centro cultural de resistência

O Coco de Umbigada tem a sua própria rádio comunitária. Foto: Divulgação

Cultura, comunicação e tecnologia são as ferramentas de transformação ressignificadas pela família de Mãe Beth de Oxum. Narrativa de resistência contada a partir de um tambor centenário feito de madeira de macaíba pertencente ao avô de Quinho Caetés, o Coco de Umbigada se comunica com a memória ancestral para mudar a realidade das crianças e jovens de Guadalupe.

Espaço de difusão cultural e de pertencimento que teve início nas festividades juninas do ano de 1998, hoje o Coco de Umbigada é um ponto de cultura que trabalha a valorização e o pertencimento do próprio território e a preservação do coco como instrumento popular de comunicação e reconhecimento identitário.

O jogo Contos de Ifá é fruto de oficinas de programação com jovens de Olinda. Foto: Divulgação

A tecnologia faz parte do dia a dia do Centro Cultural Coco de Umbigada com o LAB Coco, um laboratório de inovação e formação cidadã que tem como destaque o projeto Contos de Ifá, jogo educativo digital baseado na mitologia afrobrasileira que envolve crianças e jovens na prática da programação.

O espectro da comunicação também é ocupado com a Rádio Amnésia 89,5 FM, rádio comunitária e livre com uma programação voltada para ritmos como o reggae e o afrobeat, produções musicais locais e que também traz para o debate temas que importam para a comunidade.

Sambada de Coco 20 anos
?
Centro Cultural Coco de Umbigada (Rua João de Lima, Guadalupe/Olinda)
? Sábado, 02 de junho
⏰ A partir das 19h
Acesso livre