Semana passada a notícia do fechamento do Xinxim da Baiana, espaço de resistência cultural negra em Olinda, pegou de surpresa moradores do entorno e simpatizantes da casa, causando reações das mais diversas nas mídias sociais. “Olinda não perdeu um simples bar, Olinda perdeu um dos espaços que mais se disseminava a cultura popular da cidade”, declara em seu perfil pessoal, Luan Albuquerque, disc jóquei e frequentador do espaço.

Não só a falta de incentivo da gestão pública, como também o perfil do público consumidor existente na cidade foi questionado. “Que tal se ao invés de ficarmos chorando as pitangas pelo fechamento (…) parássemos para repensar a maneira com a qual usufruímos e cuidamos dos nossos espaços?”, provocou o empresário Lucas Muniz em sua página pessoal.

Passados alguns dias após o anúncio de fechamento, um alento. “O Xinxim da Baiana não fechou, ele vai se transformar”, explicou Silvana Nascimento, “a baiana”, proprietária do local, em conversa com a nossa redação na última sexta-feira (26).

Mais uma edição da Terça Negra acontece no Pátio de São Pedro

Quando o Xinxim está aberto as ruas de Olinda ficam mais movimentadas. Foto: Distro Fora do Eixo

Segundo Silvana, a ideia é manter a casa existindo, sendo que em um formato que permita o aluguel do espaço para eventos. “Vou dar um jeito de manter um afoxé uma vez no mês, e assim vamos montar o Xinxim mensalmente também.”, explica. A capoeira de angola que já acontece no espaço será mantida às terças e quintas.

Por mais que tenha revelado cansaço com a função, a “baiana” afirma que o compromisso que tem com a casa vai além da questão material. “A minha missão também é essa, ali é um lugar de resistência e eu fui orientada por mestres, mentores de jurema e eu não posso me desfazer disso de uma hora para outra”, revela.

Silvana crê que o novo formato será bom para todo mundo, pois atenderá pessoas que já alugam o Xinxim da Baiana para eventos e isso fará com que a cultura continue a circular pelo espaço. “Vai me ajudar a pagar as dívidas do espaço e vai continuar deixando a cidade alegre. Eu só não vou estar no bar de frente. Acredito que vá ter gente que vai contratar minha cozinheira para fazer o acarajé, quem sabe?”.

? Informações de preços e agenda: (081) 9951-32763