No próximo dia 12 de março Olinda completa 483 anos. Interessado pela história do município, debrucei em pesquisas sobre a vinda do militar português Duarte Coelho em 1534 para Pernambuco. O ponto de partida foi tentar entender melhor como se deu a relação com a aldeia indígena Marim dos Caetés, nossos ancestrais que aqui viviam antes da fundação da cidade.

Eis que os sempre tortuosos caminhos da pesquisa me levaram à figura de uma senhora, chamada Brites (Beatriz) de Albuquerque, geralmente adjetivada nos anais apenas como “a esposa de Duarte Coelho”.

Olinda faz 483 anos: Prefeitura anuncia programação de aniversário

Poucos ouviram falar sobre ela, o que soa injustificável, pois está registrado na história colonial que “Dona Brites” foi a primeira governanta das Américas e a primeira e única a governar o estado de Pernambuco até hoje.

Nascida em Portugal, fazia parte da influente família dos Albuquerque e era sobrinha de Afonso de Albuquerque, reconhecido navegante português. Aos 18 anos ocupou o Brasil acompanhada do marido Duarte Coelho, que acabara de receber a posse da Capitania de Pernambuco, e do cunhado Jerônimo de Albuquerque.

Brites de Albuquerque veio ao Brasil e viveu em Olinda até o fim da vida. Mesmo assim, não foi encontrado registro imagético da governanta.

Habituada com o conforto dos palácios portugueses, adotou a precariedade selvagem do território olindense e aqui fincou raizes. Em solo pernambucano foi mãe de três filhos: Duarte Coelho de Albuquerque, Jorge de Albuquerque Coelho e Inês de Albuquerque.

A “capitoa”

O governo do capitão Duarte Coelho, fundador da cidade de Olinda, durou 18 anos e quando teve que retornar à terra natal para acertar algumas contas com a Coroa de Portugal, a incumbência de tocar o governo de forma interina ficou com Dona Brites, logo apelidada de “capitoa”. 

Com a morte de Duarte Coelho em 1554 e com a ausência dos filhos que na época estudavam em Portugal, Brites de Albuquerque assumiu o poder. Esse período durou até 1560, quando o filho primogênito regressou ao Brasil.

De volta à Portugal anos mais tarde, o filho Duarte Coelho passou o cargo para o segundo filho do casal, Jorge Albuquerque Coelho. Em 1578 ambos os rebentos foram convocados para uma investida na África e nunca mais regressaram ao Brasil.

Alguns relatos afirmam que o cunhado Jerônimo de Albuquerque é quem governava na prática. Imagem: Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão.

Coube a Dona Brites assumir o cargo e exercê-lo até o fim da vida, quando veio morrer no ano de 1584, em Olinda. Conhecida como a “mãe dos pernambucanos”, segundo o historiador Frei Vicente do Salvador, Dona Brites nutria uma relação de afeto com filhas e filhos dos principais chefes indígenas.

Segundo registros, a “capitoa” viveu momentos difíceis em Olinda, principalmente no tocante à escassez de capital e à brava resistência indígena, mas cumpriu com firmeza às ordens exigidas pela Coroa de Portugal ao colonizarem nossas terras.

A negligenciada dimensão histórica de Brites de Albuquerque é só mais um caso de mulheres que são ofuscadas por uma estrutura patriarcal que oculta as figuras femininas da nossa memória política.