De longe pode até não parecer, de perto às vezes também não, mas quem convive o dia a dia da Cidade Alta sabe o potencial de vida que habita no Parque do Carmo. Porém, assim como diversos espaços públicos na RMR, o lugar também sofre a negligência de uma gestão pública engessada que é incapaz de tratá-lo com o mínimo de respeito.

A gritante falta de cuidado com o lugar já atravessa gestões e a sucessão de vergonhas alheias dos administradores públicos parece ter virado combustível para o surgimento de um bonito movimento de moradores batizado de Nossa Praça

Júlio, o violinista que toca Bach na Praça do Carmo, em Olinda

Criado recentemente, o grupo já conseguiu realizar duas audiências públicas na Prefeitura de Olinda e, pela primeira vez, fará uma ação de ocupação na praça que é objeto da reivindicação. O Piquenique na Praça – Quem ama, cuida, acontece neste domingo (29), a partir das 11h e aposta no encontro olho no olho como possível gerador de ações políticas de maior impacto.

Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

A ideia da movimentação é a recuperação da dignidade do Parque do Carmo e, quem sabe, um começo de experimentação do que poderá se transformar em um cuidado compartilhado do espaço.

Valores como cuidado, empatia, colaboração e consciência ambiental são alguns nortes do movimento.

Basta um olhar mais cuidadoso para sentir a negligência. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui
Brinquedos para crianças estão em estado crítico. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

“Acredito que quanto mais nos relacionarmos e nos experimentarmos nesse cuidado coletivo com a praça, mais intimidade, confiança, capacidade de ação brotará”, explica a moradora Saritta Falcão, um dos corações do movimento.

A programação do encontro está aberta, tanto pelo fato de não se configurar em um evento propriamente dito, mas sim uma reunião de moradores e simpatizantes que querem “apenas” sair da inércia e gerar movimento.

Portanto, quem tiver afinidade com a causa, é só chegar junto, levar alguma comida e bebida para compartilhar e se disponibilizar a botar a mão na massa. O DJ Ojuara estará presente botando som.

“Quero “apenas” me reunir com outras famílias para curtir a praça que ela é, está. E nesse dia, sair de lá com a sensação de que ela está melhor, mais bonita, mais ocupada”, complementa Saritta.