Indígena é símbolo do bar. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Os 40 anos de (r)existência do Bar Aritana

Final do passado o Bar Aritana completou a marca dos 40 anos. Foi em um 22 de dezembro que Dona Jura (67) e o já falecido marido Givaldo, abriram o trailer que um dia se tornaria um dos bares mais antigos de Olinda. Para rememorar um pouco dessa história, tive o privilégio de estar frente a frente com Dona Jura, a abelha-rainha soberana dessa história.

“A polícia veio aqui e saiu arrancando tudo, tiraram fios, mesas e cadeiras, expulsaram clientes”, conta Dona Jura ao lembrar que Batata, aquele mesmo do bloco carnavalesco da quarta-feira de cinzas, saiu em defesa.”Ele entrou no trailer comigo e disse que só tirariam a gente lá de dentro sem vida”. A comerciante foi arrastada brutalmente de dentro do local.

Leia também:

A gastronomia etílica e necessária do Bar do Milton, o mais antigo do Janga

“Pra Quem Gosta” de comida nordestina e caseira lá no alto de Olinda

Estamos na década de 1980 e o estabelecimento era uma lanchonete ainda sem nome que ficava localizada na frente do tradicional ponto que hoje é o Bar Aritana. O argumento para tamanha violência e desrespeito? Ocupação indevida do espaço público. A comerciante afirma que tinha documento comprovando a legalidade.

Dona Jura hoje trabalha na cozinha. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui.

A falta de diálogo do poder público parece não ter triscado na personalidade amável de Dona Jura, senhora de fé católica, guerreira do tempo, e que continuou na resistência vendendo cigarros, biscoitos e refrigerantes em um isopor na mesma Estação Maxambomba. “Os clientes antigos passavam de longe e não paravam, achavam que íamos pedir dinheiro”, relembra.

Sem precisar da ajuda de ninguém, a não ser de um amigo que a apoiou nos estudos da filha, a comerciante conseguiu o ponto onde hoje funciona o Bar Aritana. “Fui na prefeitura e pedi a autorização pra abrir uma lanchonete e com o tempo fui vendendo umas cervejinhas aqui e ali”, comenta com um sorriso de quem sabe muito se virar na vida.

Hoje conhecido como bloco carnavalesco, Batata era amigo de Dona Jura e frequentador do Aritana. Foto: Divulgação

Era o recomeço do velho Aritana, bar acolhedor que serve boa comida e cerveja gelada. Um verdadeiro amigo quando a saideira precisa se prolongar. O lugar do caldinho de cebola e do arrumadinho de bacalhau. Hoje quem batalha diariamente para manter o espaço vivo é Juci, filha de Dona Jura e responsável pelo batismo do estabelecimento.

A origem do nome

Nos tempos do trailer o estabelecimento de Dona Jura era conhecido informalmente como “O suco”. Eis que um dia, quando a comerciante decidiu passar a vender cervejas, foi perguntada pelo distribuidor da bebida qual era o nome da lanchonete.

“Nessa hora minha filha Juci chegou correndo e dizendo que a novela tinha começado. Aproveitei a deixa e respondi Aritana” relembra Dona Jura.

O acaso quis que o nome do bar resgatasse uma história de resistência indígena, em que o personagem Aritana, na telenovela da TV Tupi, lutava pela sobrevivência da sua tribo e da sua terra.

Bar Aritana
Rua do Sol, 9, Carmo – Olinda/PE (Largo do Maxambomba)
Aberto de terça a domingo, das 17h até o último cliente sair

[Matéria publicada no dia 22/12/2017 e atualizada em 01/08/2018]

  1. Conheço desde da década de 90. Grande luta dessa familia linda e unida. Lugar aconchegante com cerveja beeeem gelada. Juci sempre sempre com olhar alegre, teve de quem herdar, Dona Jura maravilhosa. Parabéns pra vocês!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar