Após duas décadas com as portas fechadas, o Teatro Popular do Bonsucesso, em Olinda, enfim foi reaberto para o público no dia 30 de janeiro de 2018. A notícia trouxe um respiro de esperança aos olindenses, já que a realidade mais comum por aqui é o sucateamento dos equipamentos culturais públicos da cidade.

Contudo, mesmo após seis meses da reinaugurado por meio de uma obra que vinha se arrastando desde 2008, na administração da prefeita Luciana Santos, o Teatro Popular do Bonsucesso ainda não conta com uma instituição responsável pela gestão do espaço. Refletindo até hoje na inexistência de uma política de ocupação efetiva e completa do local.

LEIA TAMBÉM:

Teatro do Bonsucesso é reaberto nesta terça (30). Mas e agora?

Mercado Eufrásio Barbosa reabre com indefinição sobre política de ocupação 

Segundo a Prefeitura de Olinda, por meio da sua assessoria de comunicação, a Secretaria de Patrimônio e Cultura (Sepac) está preparando uma chamada pública para selecionar uma instituição para atuar no gerenciamento compartilhado do teatro. A conclusão dessa ferramenta está prevista para o fim de agosto.

A gestão pública afirma que a ideia da chamada pública nasceu das reuniões realizadas com a classe artística, através da Associação de Teatro de Olinda (ATO), que, segundo assessoria da prefeitura, “reúne diversas instituições do segmento”. Nesses encontros, teriam sido deliberadas também várias outras atividades que até então não foram divulgadas oficialmente.

Prefeitura de Olinda diz uma chamada pública para resolver questão do gerenciamento do teatro (foto: Rodrigo Édipo/PorAqui)

A expectativa é que o Teatro Popular do Bonsucesso esteja em pleno funcionamento com a pauta de espetáculos e apresentações culturais no início do mês de setembro. Por enquanto, o local tem aberto as portas para ensaios de grupos culturais e eventos sem fins lucrativos.

Os agendamentos estão sendo realizados na Secretaria de Patrimônio e Cultura (Sepac), localizada na Rua de São Bento, 160, Cidade Alta.