Sábado, 10h40 da manhã, decidi dar um rolê pelo Centro Cultural Mercado Eufrásio Barbosa (MEB). Equipamento público recém-inaugurado como um espaço de exposições, o antigo mercado público e casa de shows conta até agora com galerias de arte, um café-livraria e o tradicional Teatro Fernando Santa Cruz, que ainda se encontra fechado.

A tipografia original da fachada feita pelo artista Petrônio Cunha foi mantida. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Anunciado com pompa como um cartão-postal da cidade, apesar de já estar em funcionamento, o que encontrei em uma manhã de sábado foi um Eufrásio Barbosa ocioso e vazio. Detalhe: mês de julho/férias. Mesmo assim, apostei no passeio.

Leia também:

Mercado Eufrásio Barbosa reabre com indefinição sobre política de ocupação

Sabia que o Mercado Eufrásio já foi casa da alfândega e fábrica de doces?

“O pessoal está curioso porque é uma coisa nova, temos recebido bastante turistas”, garante Keila Gomes, estagiária do espaço destinado ao Museu do Mamulengo – Espaço Tiridá, que assim como a exposição do artista Bajado localizada na galeria ao lado, são os espaços mais legais do MEB até então. 

As bonitas obras de Tiago Amorim estão na exposição “Olhares Pioneiros”. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui
“Olhares Pioneiros” apresenta obras de coletivo de artistas locais do século XX. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui
O Museu do Mamulengo é o espaço que apresenta mais vida. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Exposição do artista Bajado saiu da Prefeitura e ganhou espaço fixo. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Causos do cotidiano são contados no Museu do Mamulengo. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Mara Ferreira trabalha no Museu do Mamulengo desde a fundação (1994) na gestão do prefeito Germano Coelho. “Eu trabalhava no gabinete, daí como sempre fui de alegria, expansiva, o prefeito me incentivou a trabalhar com os mamulengos”, explica. 

Todos os bonecos do Museu do Mamulengo são tombados. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Hoje ela trabalha no restauro dos bonecos. “Todos eles são tombados, se uma roupa rasga eu tenho que achar a mesma estampa ou corre atrás de uma da mesma cor”, explica Mara sobre a atividade que exerce há 24 anos. “As crianças morrem de rir, elas gritam tanto com os bonecos feios”.

O Museu do Mamulengo – Espaço Tiridá está aberto para dialogar com escolas, para agendar visita é preciso enviar e-mail para museu.mamulengo@hotmail.com.

Literatura pernambucana

A Cepe dá desconto para professores e alunos. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Uma livraria repleta de bons livros e com pouquíssimo público foi o que vi nesta manhã de sábado. Fiquei por aproximadamente uma hora no lugar e além de mim só apareceu um casal. Uma semana após o anúncio de fechamento da Livraria Cultura, presenciar esse esvaziamento é lamentável.

Livraria do centro cultural traz títulos pernambucanos lançados pela editora Cepe. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

Para quem não conhece, o espaço da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) disponibiliza em suas estantes produções editoriais que promovem a literatura pernambucana. Além das publicações de autores locais, a editora tem como produtos os periódicos Suplemento Pernambuco e a Revista Continente.

A livraria da Cepe oferece uma promoção com 50% de desconto para professores e alunos na compra de qualquer título. Exceto lançamentos.

Centro Cultural Mercado Eufrásio Barbosa
?
Av. Doutor Joaquim Nabuco, Varadouro/Olinda
? Terça a sábado
⏰ 9h às 13h
Acesso livre