foto: Rodrigo Édipo

Venda de Seu Viana, na Rua da Palha, em Olinda, é famosa por queijo de coalho

“E por que você não vai conversar com o Véio da Bodega? Ele é mais famoso”, provocou o sergipano Seu Viana assim que cheguei na janelinha gradeada para entrevistá-lo. A comparação faz até sentido, já que a mercearia localizada há mais de uma década na simpática Rua José Belarmino Silva (antiga Rua da Palha) lembra os primórdios da hoje turística e disseminada Bodega de Véio.

Acontece que a semelhança só vai até aí, pois o desejo de Seu Viana é bem diferente: “Meu sonho é ganhar na loteria e fechar essa bodega um dia”, revelou. Querido pela vizinhança, Viana tem personalidade forte, não foge de pergunta e é senhor de um conhecimento enciclopédico.

Leia também:

São João da Palha: A história da rua mais junina da Cidade Alta de Olinda

Quintal de Dea: Panela de barro, intimidade e afeto em Olinda ❤️

A venda é ponto de encontro de alguns amigos de Seu Viana. Foto: Rodrigo Édipo/PorAqui

“Você veio aqui só pra conversar com ele?”, me perguntou surpreso um dos clientes que no momento entornava um quartinho acompanhado de meia banda de laranja. Respondo que sim. “Então vai ver, ele tem uma conversa sadia”, complementou.

No comércio desde que se entende por gente, Viana já trabalhou como vendedor para diversas marcas e, após “ter levado um cano grande”, decidiu montar a venda para garantir o futuro dos quatro herdeiros. “Abri pra meus filhos tirarem o próprio sustento, mas eles se organizaram na vida e a bodega ficou comigo e com a minha esposa, Luizete”, contou.

Sempre com a televisão ligada, o estabelecimento de Seu Viana é um típico comércio local: “A venda é comunitária, só vem gente que mora perto”. Localizada em um anexo da casa onde mora, lá você encontra de tudo um pouco: feijão, extrato de tomate, farinha, papel higiênico, bolacha, vinagre, maisena, refrigerante, cachaça, cerveja, vinho.

O melhor queijo coalho da redondeza

O queijo coalho é um capítulo à parte, produto que ele traz de São Bento do Una e outras cidades do interior pernambucano. “As pessoas gostam muito, chegam aqui perguntando sobre o queijo furadinho, porque os que não têm furo são os industrializados”, explicou Seu Viana, revelando que vende 20 barras por semana.

O produto também é vendido como petisco diretamente no balcão, o que é uma ótima pedida pra quem quer tomar um latão num fim de tarde olindense e jogar uma boa conversa fora.

Venda de Seu Viana
📍Rua José Belarmino Silva (antiga Rua da Palha), 32, Carmo/Olinda
📅Segunda a domingo, das 7h às 13h (primeiro turno) e das 15h às 22h (segundo turno)

[Matéria publicada no dia 05/07/2017 e atualizada em 13/08/2018]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar