Já experimentou um sorvete de jambo? Ou, quem sabe, um de macaíba? E de tamarindo, já provou? É felicidade pura! E essa felicidade vem sobre duas rodas, todos os dias, com destino certo: a bordo de sua magrela toda ornamentada, João Manoel é o rapaz dos sorvetes mais variados (e saborosos) de que se tem notícia no Recife Antigo: “The Happiness Food Bike” é o nome da marca.

Diariamente, a partir das 11h40, João circula pela Praça do Arsenal (aos domingos, na Feirinha da Rua do Bom Jesus), próximo ao Paço do Frevo, com uma média de 135 potinhos de sorvetes artesanais, que custam apenas R$ 2. A grande sacada são os sabores inusitados que ele mesmo produz, o que atiça o paladar e a curiosidade de qualquer um.

A bike que traz “A Felicidade” a bordo (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

“Os sorvetes são feitos com amor!”, diz João quando perguntado sobre a receita de tantas delícias produzidas por ele. Na verdade, ele faz tudo em casa, e não usa gordura hidrogenada nem qualquer ingrediente que contenha glúten. Além disso, é tudo feito diretamente da fruta.

E as frutas são muitas, hein? Já teve sorvete de jabuticaba, pinha, jaca, carambola, até mesmo de pitomba (a disponibilidade dos sabores depende da época da fruta)! Tem também os sorvetes que não são necessariamente de frutas, mas tão surpreendentes quanto: nego bom, rapadura, cartola (banana + açúcar + canela), paçoca (o mais vendido do momento), queijo (na verdade, um “Romeu e Julieta”, pois leva goiabada).

Deixa de ser besta e vai provar logo esse sorvete (Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

Mas, claro, que há os sabores “clássicos”, como morango, maracujá, chocolate, limão, entre outros. Há os sorvetes mais “caros” (apenas R$ 3): doce de leite, chocolate, brigadeiro, Olaf (feito com chocolate branco), frozen (leite condensado com granulado), Brad (Nutella com doce de leite), A Felicidade (brigadeiro de nutella).

Você pode achar o The Happiness no Facebook e no Instagram.

Como foi isso?

Faz pouco mais de 1 ano que João, 26, deu início ao The Hapiness, circulando pela Praça do Arsenal. A bordo de uma bicicleta com ornamentação e estrutura toda criada por ele, resolveu apostar nos sabores “diferentões” como forma de atrair clientela.

João é formado no curso de Gastronomia do Senac e, entre os módulos que cursou, havia o de “gelados” (sorvetes, mousses), o que lhe deu o conhecimento necessário para a produção. Já a ousadia de produzir sabores nada convencionais partiu dele mesmo, em parceria com o amigo Rafael, que o acompanhou no início dessa empreitada.

(Foto: Leonardo Vila Nova/PorAqui)

“Fui criando, criando, até que chegasse no ponto que eu queria”, conta ele. Alguns passaram por várias tentativas até acertar o ponto, como o de limão com gengibre, por exemplo.

Todos os dias, por volta das 18h, ele começa a produzir os sorvetes que serão vendidos no dia seguinte. Ele sai do bairro de São José, onde mora, e segue até o Recife Antigo. João sempre fica por lá até umas 16h, 16h30 (a depender do movimento do dia).

E, ao que tudo indica, o negócio tem ido bem: recentemente, outra bicicleta “The Hapiness” também já está circulando pela região, com outra pessoa a bordo, para dar conta da demanda.

Carnaval

João já promete sabores novos para quem quer matar a vontade de tomar um sorvete delicioso, dar uma amenizada no calor e se esbaldar na folia. Para o Carnaval, garante ele, vai ter sorvete de caipirinha, caipifruta, outros que levam cachaça e uísque (Coco verde, com acréscimo de uísque).

7 museus para visitar de graça no Recife Antigo e Centro