Em mais uma tentativa de colocar para a sociedade o descaso a que o Teatro do Parque foi submetido pela gestão municipal, representantes da classe artística irão se acorrentar às grades do equipamento cultural, a partir do meio-dia desta quinta (25), pedindo a retomada das obras de restauração que são prometidas desde 2010 e, até hoje, não foram concluídas.

Há oito anos o Teatro do Parque está de portas fechadas e foram vários os “ensaios” do andamento de sua reforma, porém, sem sucesso. A classe artística, desde então, vem realizando protestos, pedindo a reabertura do teatro, a exemplo da Virada Cultural, que ocorreu em agosto do ano passado.

Há quase oito anos, o Teatro do Parque espera por uma reforma (Edmar Melo/JC Imagem)

“À medida que a gente não vai sendo ouvido, é natural que a gente se torne cada mais radical. O medo que tenho é que a situação não ande até o ponto que a gente tenha que entrar lá de uma vez”, diz o ator Diógenes Lima, um dos participantes do ato desta quinta (25).

Para Diógenes, não faz sentido um equipamento público de tamanha importância estar fechado, sem nenhuma ação concreta a respeito do seu futuro. “Desde que fizemos a virada, a Prefeitura se mostra claramente sem posição e sem querer abrir para diálogo. No mínimo, reconhecer que estão não fazendo nada e chamar a gente pra fazer junto”, fala.

Mais de 700 pessoas manifestaram interesse no evento do Facebook. Segundo Diógenes, cerca de 20 artistas confirmaram se acorrentar às grades do Teatro e, assim como tem se mostrado o imbróglio que envolve as obras, sem previsão de abandonar o ato.

“Ficaremos lá até que haja alguma posição concreta sobre o que eles vão fazer. Não sei se vão matar a gente de fome, de cansaço, de sol, mas a gente vai ficar lá pra cobrar uma resposta”, conclui Diógenes.

O que diz a Prefeitura

Sobre a reforma do Teatro do Parque, prometida há quase oito anos, a Prefeitura do Recife respondeu que as obras devem iniciar entre março e abril deste ano.

“A assinatura do convênio, abertura de licitação e início das obras estão previstas para o primeiro trimestre do próximo ano”, diz a nota enviada ao PorAqui.

As obras totalizam cerca de R$ 5,6 milhões, sendo R$ 3 milhões de um repasse confirmado pela Caixa Econômica Federal, ainda não assinado. Segundo a nota, “A assinatura do convênio junto ao Ministério da Cultura também deverá acontecer no próximo mês (de fevereiro) de acordo com a agenda no ministro”.

Em contato com a assessoria de imprensa do Gabinete de Projetos Especiais da PCR explicou que as obras não precisam, necessariamente, da assinatura do convênio para começar. Ou seja: podem ter início utilizando os recursos próprios da Prefeitura do Recife.