Desde o fechamento do Teatro do Parque, em 2010, para a realização de obras de restauro na sua estrutura, a Rua do Hospício, tradicional reduto boêmio e cultural do Recife, no bairro da Boa Vista, viu seu movimentado cotidiano ir definhando.

Após oito anos, o teatro continua fechado, e a rua, que teve grande parte do seu movimento associado ao funcionamento do equipamento cultural, já não tem mais o mesmo brilho de antes. Estabelecimentos comerciais fecharam; o público que antes frequentava o local foi ficando cada vez mais raro; à noite, o cenário é sombrio, devido à falta de movimento e segurança.

‘O Teatro do Parque é minha memória, é sua memória, é nossa arte’

Por isso, um grupo de artistas e fazedores de cultura que, desde o ano passado, vem lutando para cobrar da Prefeitura do Recife a reabertura do Teatro do Parque resolveu lançar mão de mais uma movimentação para revitalizar a Rua do Hospício: o projeto Segundas no Parque, que terá sua semente plantada hoje (16), às 17h, na frente do teatro.

Teatro do Parque fechou suas portas em 2010, para reformas que nunca foram concluídas (Foto: Fernando da Hora/JC Imagem)

“A ideia é que toda segunda tenhamos uma atividade cultural na frente do teatro”, diz o ator Diógenes Lima, que encabeça o movimento. “A proposta é revitalizar a Rua do Hospício, que sempre foi tão frequentada por público e artistas”, explica.

O movimento pretende promover, todas as segundas-feiras, atrações culturais de diversas linguagens. Saraus, teatro, dança, shows e feiras é o que está previsto para ser levado semanalmente ao local. O encontro de hoje será para montar, com os participantes, o calendário das próximas semanas. E está aberto a quem queria participar.

“Sejam artistas que queiram se apresentar ou pessoas que possam contribuir com alguma atividade de produção, é aberto a todo mundo”, diz Diógenes. “A proposta é fazermos isso lá na frente até que o povo possa entrar no Teatro do Parque novamente, e ter acesso ao que ele proporcionava para a cultura do Recife”.

Artistas se acorrentam ao Teatro do Parque como protesto