Rua Formosa, Caminho Novo, Conde da Boa Vista. A mais conhecida e movimentada via do Centro do Recife vai passar por modificações. É que, recentemente, o projeto Nova Conde da Boa Vista, que pretende transformar a avenida, foi apresentado à população.

A reforma, possivelmente, não afetará apenas a estrutura física e viária, mas provocará mudanças significativas no cotidiano das milhares de pessoas que frequentam e moram no entorno da principal artéria do Centro da capital.

LEIA TAMBÉM:

Bar Savoy: versos embriagados de um Recife boêmio

Foto: Manuel Borges/Colaboração
Para entender os anseios e dúvidas que viraram assunto no bairro, o Canal Coração da Cidade, com o projeto da Nova Conde da Boa Vista em mãos, percorreu algumas paradas de ônibus, porta de lojas, filas de loterias e mesas de bares para saber o que as pessoas mais afetadas por esta intervenção têm a dizer.

Um passado de obras

Prevista para ter início em março de 2019, o projeto Nova Conde da Boa Vista, segundo o site da Prefeitura do Recife, contará com o investimento de R$ 15 milhões. Mas não é de hoje que o Poder Público tenta dar um prumo definitivo à via.

Foto: Manuel Borges/Colaboração

“De novo?!”. A consultora comercial Flaviane Monteiro, 34 anos, ficou supresa com o anúncio da nova reforma na Conde da Boa Vista. As intervenções na avenida não são raras e, pelo que se pode observar, deixam lembranças nada agradáveis.

“É sempre um transtorno, né? Muda a rotina dos ônibus e dificulta bastante as coisas. Eu sei que fazem isso para melhorar, mas eu lembro das outras obras e foram péssimas”, diz Flaviane.

Ela nem sonhava em nascer quando o alagado de mangue localizado na Boa Vista foi aterrado para dar início, ao que seria, anos mais tarde, à Avenida Conde da Boa Vista. Quando surgiu, em 1840, a então Rua Formosa ligava apenas a Rua da Aurora à Rua do Hospício.

Foto: Reprodução

Foi o Presidente da Província de Pernambuco, Francisco do Rego Barros, o Conde da Boa Vista, que promoveu nova expansão na rua. Em 1852, outros trechos foram anexados e, em 1899, a via consolidou-se como conhecemos atualmente, até o bairro do Derby.

Na relação das intervenções realizadas na Conde da Boa Vista, ao longo dos anos, está a polêmica Corredor Leste-Oeste, finalizadas em 2008, quando os passageiros criticaram o aumento no tempo das viagens dos coletivos, diferente do que se esperava após a conclusão. Uma reforma que custou R$ 14 milhões.

                           Foto: Roberta Soares/Reprodução

Em 2014 foi a vez das instalações do Bus Rapid Transit (BRT). Previstas para serem entregues em 2 meses, as estações do BRT se arrastaram e causaram transtornos por anos e, até um dia desses, paradas improvisadas recebiam os veículos e as pessoas.

De transtorno na Conde da Boa Vista a estudante Mikaella Arruda, 23 anos, entende bem. “Sou acostumada com o barulho e confusão daqui. Mas quando tem obra é demais, né? E se for pela noite, é impossível dormir direito, estudar ou assistir alguma coisa”, diz ela que mora no Edifício Suape, um dos maiores da Avenida.

Um pé na frente, outro atrás

Projeto Nova Conde da Boa Vista (Arte: Reprodução/PCR)

Diante de tantas promessas e expectativas não correspondidas por obras anteriores, não é de se estranhar que a população, no mínimo, duvide dos benefícios que um novo plano para a Avenida Conde da Boa Vista possa trazer.

O projeto Nova Conde da Boa Vista, que pode ser visto por completo clicando aqui, pretende instalar iluminação de LED, plantar 90 árvores, construir um canteiro central florido, alongar as esquinas, ampliar as calçadas, entre outras ações.

Projeto Nova Conde da Boa Vista (Arte: Reprodução/PCR)

Ao bater o olho nas imagens da projeção, o aposentado Agnaldo Barbosa, 61 anos, não esconde o deslumbre nem a desconfiança. “Eu perdi as contas de quantas vezes ouvi falar que iam remodelar isso aqui. É um mexe e remexe e a coisa que nunca termina. Queira Deus que esteja vivo para ver tudo isso, porque vai ficar muito bonito mesmo”, desabafa ele.

De acordo com a Prefeitura do Recife, os trabalhos devem ser concluídos em março de 2020, um ano após o início, e contarão, também, com duas novas estações de BRT substituindo as seis que existem.

Foto: Manuel Borges/Colaboração

Quem utiliza bicicleta para se locomover na Boa Vista também deve ser beneficiado, segundo o projeto. É que ciclovias devem ser implantadas no entorno da avenida, facilitando o acesso ao Centro. O estudante Hayllander Tavares comemora: “pelo menos, dessa vez, espero que o ciclista seja visto e notado, porque não sou obrigado a andar de ônibus. Ninguém merece”.

Projeto alvo de discussões

Foto: Manuel Borges/Colaboração

No mês de março deste ano, o Instituto de Arquitetos do Brasil solicitou junto à Prefeitura do Recife uma audiência pública para discutir o projeto, mas não foi atendido. A Gestão Municipal alegou que as obras não foram classificadas como de grande impacto e, por isso, não haveria necessidade de debate público.

O poder legislativo municipal e a sociedade também questionaram o desenvolvimento do projeto, cobrando maior participação popular nessa construção. A Prefeitura diz que os estudos para a humanização da via começaram em 2016, realizados pela Secretaria de Infraestrutura e Habitação e Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano.

Foto: Manuel Borges/Reprodução

Polêmicas à parte, o fato é que as ações já tem data para começar. E, conforme a perspectiva projetada, a Conde da Boa Vista deve receber, ainda, bicicletários, bancas para ambulantes cadastrados, nova programação dos semáforos, ilhas de travessias e mais lixeiras.

Projeto Nova Conde da Boa Vista (Arte: Reprodução/PCR)

As imagens do projeto são de fazer saltar os olhos e só resta, a partir de então, torcer para que o barulho da britadeira sirva, pelo menos, para interromper o sonho de uma Conde da Boa Vista valorizada e fazer acordar para esta nova realidade.

Por Manuel Borges

Jornalista matuto que trocou o gosto da cana pelo cheiro do mangue. Adora passear por locais, histórias, cultura, picos/festas/bares, personalidades e humor sempre tendo o Centro, o coração da Cidade do Recife, como tema. Instagram: @manecoborges.

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.