Os índices de violência no Estado crescem mês a mês, e o Bairro do Recife, naturalmente, já entrou nas estatísticas, com ocorrências de assaltos e arrastões, mudando, e muito, a dinâmica do lugar. Preocupados com a situação de um dos principais cartões-postais do Recife e um dos mais importantes polos de inovação do País, empresários do Porto Digital resolveram se unir. Estão dialogando em busca de soluções para a insegurança na área.

A demanda é urgente, uma vez que uma região como o Bairro do Recife é convergência de vários caminhos do Centro do Recife. A exemplo do Cais de Santa Rita, por onde circulam milhares de pessoas por dia, seja para trabalhar, estudar, passear ou ir ao comércio.

Lá, o designer Bruno Verissimo sofreu um assalto no último mês de maio. Foi abordado por dois homens. “Um me segurou na frente, pegou meu celular, e o outro, atrás, pegou a carteira”, conta ele. Ficou o trauma. “Não me lembro de ter ido ao Recife Antigo novamente, após o assalto”, diz.

O jornalista Allan Nascimento foi vítima de um arrastão no início de julho. Era um domingo, 19h30. “Eu estava voltando do Bairro do Recife com um amigo que ia pegar um ônibus”, conta. “Vários meninos desceram de um coletivo e assaltaram todas as pessoas que estavam na parada. Teve gente que chegou até a ser derrubada.”

(Foto: BlogImagem)

Allan estava recém-chegado de uma temporada com a família no Sertão Pernambucano, no primeiro semestre. “Fui assaltado no meu primeiro fim de semana no Recife”, lamenta.

E uma mulher, de, aproximadamente, 40 anos, foi encontrada morta, a pauladas, em um estacionamento particular, na Rua da Guia, na manhã desta quinta (31). Segundo a Polícia Militar, ela era usuária de drogas, ela era conhecida como Diana.

(Foto: Eduardo Amorim/PorAqui)

LEIA TAMBÉM:

Pátio de São Pedro: do auge ao abandono

De que vale uma casa velha? Um relato sobre o incêndio na Rua da Glória

Ação

São casos como esses que vêm preocupando quem chega e sai do Recife Antigo ou quem circula no seu entorno. Na semana passada, os empresários se reuniram pela primeira vez para debater a questão. A pauta foi extensa e as ideias para reverter a atual situação, foram muitas.

Entre as medidas discutidas, num primeiro momento, está reunir dados de ocorrências, para qualificar os problemas e apresentá-los aos órgãos responsáveis pela segurança.

Também está prevista a criação de um comitê de segurança, com a participação de associações em campos de atuação diversos, além do agendamento de uma reunião com os comandantes do 16º Batalhão da PM-PE, comandantes da Companhia Independente de Apoio ao Turista – CIATur, delegados responsáveis pela seccional, além dos secretários que possam participar das ações do Bairro do Recife.

Outro ponto importante da reunião foi o futuro: pensar em projetos sociais que possam possibilitar a crianças e jovens outras perspectivas de vida, que não o caminho da violência/marginalidade. Para isso, também está na pauta trazer à discussão a Vara da Infância e Juventude.

Atualizado em 31/8/2017, às 12:16