É daquelas pessoas que sente uma dor no coração, digo, no joelho, só em ver um passista de frevo pulando, descendo, subindo feito uma pipoquinha no meio da frevança? E pensa “Oxe, dá pra mim, não, menino. Se depender de ter joelho assim pra dançar frevo, não vou dançar nunquinha!”? ?

Mas será mesmo que pra dançar frevo a gente precisa ter joelhos blindados?

No vídeo de hoje o Mexe com Tudo te fala um pouquinho sobre essa relação polêmica do frevo com os joelhos e levanta também novas possibilidades para cair na frevança. ?

Mexe com Tudo por Otávio Bastos

Mexe com Tudo é o canal sobre frevo e carnaval de Otávio Bastos, passista de frevo e coreógrafo que se dedica de corpo e alma ao tema há mais de 20 anos.

Foi dançando nas ruas, com o grande mestre Nascimento do Passo, que o músico Antônio Nóbrega o conheceu e convidou para dançar com ele, onde ficou por dez anos. Com experiência nas ruas e nos palcos, já ganhou dois prêmios nacionais de dança (Klauss Viana) em 2012 e 2014. Recentemente, voltou de uma turnê onde deu aulas de frevo em cinco países – já dançou frevo até em Kuopio, uma cidadezinha lá no norte da Finlândia!