Estimular o debate e provocar reflexões sobre a relação do homem com o meio ambiente, assim como os conflitos resultantes disso. Essa é a proposta da MARÉ – III Mostra Ambiental do Recife que, de segunda (14) a quarta (16), aportará no Cinema São Luiz, no Centro do Recife.

O cinema é a linguagem escolhida para trazer à tona questões dos nossos tempos. Através de uma programação que inclui exibições de filmes e mesas-redondas, a mostra está pautada em três eixos temáticos: Cidades & Conflitos, Povos & Territórios, Ecossistemas & Biodiversidade.

Em publicação nas redes sociais, a organização da MARÉ, que tem curadoria do jornalista e crítico André Dib, fala que a mostra foi pensada com “a responsabilidade de dar visibilidade às lutas cotidianas que os movimentos sociais, instituições de pesquisa, empresas e poder público têm travado para mudar a situação que vivemos hoje”.

A proposta é colocar na ordem do dia a discussão sobre os diversos processos que incluem a relação da sociedade com o meio ambiente. Mobilidade urbana, gentrificação, modelos de desenvolvimento e exploração predatória da natureza são temas que virão à tona.

A programação da mostra também contempla outros espaços, como o Jardim Botânico do Recife, a Universidade Federal de Pernambuco e a Ilha de Deus.

Os ingressos para a MARÉ no Cinema São Luiz tem preço único de R$ 5.

Programação (Cinema São Luiz)

Segunda (14/8)
17h | Mesa: “Terra em Transe – 50 anos depois num país em transe”, com Alexandre Figueirôa (professor e crítico de cinema) e mediação de Luiz Joaquim (professor e crítico de cinema)
19h30 | Exibição:
Em Busca da Terra sem Males (RJ, 2017), de Anna Azevedo
Terra em Transe (Brasil, 1967), de Glauber Rocha

Terça (15/8)
17h | Mesa: “A contradição do capital tem gênero, cor e orientação sexual”, com Fabiana Moraes (jornalista e cineasta), Cida Pedrosa (poeta e Secretária da Mulher do Recife) e Laudijane Domingos (Presidenta da União Brasileira de Mulheres / PE) e mediação de Daniele Carvalho (bióloga e educadora ambiental)
19h30 | Exibição:
Dia de Pagamento (PE, 2016), de Fabiana Moraes
Cidades Fantasmas (Brasil, 2017), de Tyrell Spencer

Quarta (16/8)
17h | Mesa: “O colapso ambiental e a segunda natureza”, com Rafael Amorim (cineasta), Maurício Guerra (Secretário Executivo de Meio Ambiente do Recife) e Augusto Semente (Movimento Mata Uchôa) e mediação de Patrícia Caldas (geógrafa e pesquisadora)
19h30 | Exibição:
Nanã (PE, 2017), de Rafael Amorim
O Botão de Pérola (El Botón de Nacar – Chile, França, Espanha, 2015), de Patricio Guzmán