Segunda-feira sem graça? Agora no PorAqui tem Humor de Segunda, com Daniel Barros. Perca seu tempo à vontade! ?

O que a Conde da Boa Vista e a Champs-Élysées, na capital francesa, têm em comum? Nada. Parisienses e recifenses, no entanto, compartilham um sentimento de superioridade demonstrado por meio de uma autoestima inabalável e uma crença exacerbada em si mesmos, vulgo “góga”.

A góga dos gringos é justificável, pois eles moram numa cidade aclamada nos quatro cantos do planeta, por vezes considerada como a mais bela do mundo. Isso dá uma levantada no ego, óbvio. Porém, a nossa vem de onde?

Temos o 8º pior trânsito do mundo e as paradas de ônibus mais escrotas da face da terra. Em termos de urbanização, ficamos presos no início do século passado. As obras de infraestrutura parecem as previsões da Apac (Agência Pernambucana de Água e Clima): nunca dão certo.

Difícil pensar num desmantelo maior do que as reformas realizadas na Av. Conde da Boa Vista entre 2008 e agora, por exemplo. E olhe que ela é a via mais emblemática da cidade, pois liga o Centro do Recife ao centro do mundo, também conhecido como Cidade Universitária ou CDU.

Semana passada, depois de cumprir um compromisso profissional, resolvi voltar andando das imediações da Casa da Cultura para o Derby. Geralmente, quando faço esse caminho, opto por ir pela Rua da Imperatriz, passar pela Manoel Borba e só pegar a CdB perto da Rua do Progresso.

Porém, escolhi caminhar pela Conde para sentir o clima da cidade. Era tanto aperto nas calçadas e barulho no pé do ouvido que eu pensava estar no maior bloco de Carnaval em linha reta do Norte e Nordeste incluindo a Bahia, o Galo da Madrugada.

Cheguei em casa magoado e pensativo. Tomei um banho e fiquei remoendo as imagens daquele cenário de caos. Procurei entender como atingimos tal ponto de desordem e descaso, e nada vinha à mente.

Por fim, lembrei que temos o maior shopping em terras latinoamericanas, a maior avenida em linha reta do mundo, o maior bloco de Carnaval do sistema solar e a maior pitoca (dura) do universo. Com tamanhos feitos, não é uma avenida repleta de paradas de ônibus estrábicas e improvisadas que vai me botar pra baixo. O Recife é foda!

Daniel Barros é recifense, formado em Letras pela UFPE. Atualmente mora no Derby, mas é cria da CDU. Come e bebe em demasia. Já tomou muita cerveja no Mercado da Encruzilhada.  Nos intervalos, anda de ônibus. Nesta vida, veio a passeio, mas ficou preso em Abreu e Lima. É conteudista colaborador do PorAqui para desperdiçar seu tempo.

 

 

O conteúdo das colaborações não reflete necessariamente a opinião dos editores do PorAqui.