A partir desta quinta (22), o Som na Rural, capitaneado por Rogê de Renor, dá o pontapé inicial para mais um projeto: a Rádio Cadê, que vai aportar na Praça do Arsenal, Bairro do Recife, levando música e discutindo comunicação pública com a população.

Nesta primeira edição, que começa às 18h, acontece a audição de Suspenso, 3º álbum do músico recifense Juvenil Silva, que estará presente para bater um papo com o público sobre o disco. Ele também com algumas cópias do novo trabalho, à venda.

“A Rádio Cadê tem inspiração nas rádios volantes do interior. A gente toca para quem tá ali, com o povo na rua. Por isso, a ideia de fazer audições de discos novos, que muita gente ainda não ouviu. É essa coisa de se encontrar na praça pra ouvir música”, conta Rogê.

Ouça aqui Suspenso, novo disco de Juvenil Silva

Juvenil Silva participará falando do seu novo disco, “Suspenso” (Foto: Débora Bittencourt)

“Pegar uma rural e transformar numa rádio é uma ação de guerrilha. Isso tem a ver com a situação da cidade em relação à cultura, que é a falta de espaço, de casas, de TV, de rádio, no sentido de subverter a realidade pra gente poder ter o que a gente não tem”.

A ideia é realizar edições da Rádio Cadê de 15 em 15 dias, sempre às quintas-feiras, na Praça do Arsenal. A próxima será no dia 5 de abril, com a audição dos discos do casting da Pé-de-Cachimbo Records. As edições seguintes estão sendo fechadas.

Pé-de-Cachimbo: selo de música independente alça novos voos

O formato é de um programa de rádio democrático, popular e na rua. Além da audição de discos, haverá conversa com os artistas, depoimentos do público e discussão sobre comunicação pública, com a participação do Fopecom – Fórum Pernambucano de Comunicação.

Todo o conteúdo da Rádio Cadê será disponibilizado, posteriormente, em podcast, nas redes sociais do Som na Rural e dos seus parceiros.

Cadê a Rádio?

Além de dar visibilidade à música independente local, a Rádio Cadê vem cumprir outra função: discutir a comunicação pública no estado, tendo como um dos motes a Rádio Frei Caneca. É onde entra o Fopecom. Excepcionalmente, eles não estarão nesta primeira edição, devido a um compromisso externo que envolve todo o Fórum.

“Queremos desburocratizar as discussões sobre comunicação pública e levar isso para a rua, para as pessoas, levar informes sobre o que vem acontecendo, de forma mais direta e criativa. E o que tá rolando na Rádio Frei Caneca, que é uma história muito mal contada, é um exemplo disso”, diz Rogê.

A Rádio Frei Caneca é um caso emblemático na história da comunicação pública do Recife. Após mais de meio século para ser criada, entrou no ar em julho de 2016, e limita-se, desde então, a reproduzir playlists musicais, o que lhe rendeu apelidos como “Rádio Pendrive” ou “Rádio Frei Pendrive”. Essa é uma das críticas do Fopecom.

Rogê leva à Rádio Cadê à Praça do Arsenal (Foto: Reprodução/Facebook)

Recentemente, foi lançado um edital público para preenchimento da programação da Frei Caneca. No entanto, o edital informa que não disponibilizará equipamentos ou estúdios para a produção dos programas, tampouco irá remunerar quem produzir os conteúdos.

“O que queremos é que Rádio Frei Caneca se torne uma rádio de verdade, que veicule conteúdos independentes, que se tenham editais profissionais pra produção profissional de conteúdo, não voluntários”, diz Renato Feitosa, integrante do Fopecom.

Rádio Cadê – 1ª edição
com participação de Juvenil Silva e audição do disco Suspenso
Quinta (22), a partir das 18h
Praça do Arsenal | Bairro do Recife