Em novembro de 2016, o cantor Romero Ferro resolveu adicionar uma pitada de desafio à sua carreira como cantor: reunir, em um show, um apanhado de frevos, em releituras que reprocessavam o gênero pernambucano em outras vertentes musicais. Nascia, assim, o projeto Frevália, que se solidificou e celebra a marca de um ano de existência, com mais uma edição, neste domingo (26).

A apresentação, que é aberta ao público, acontece a partir das 14h, na Praça do Arsenal, na área externa ao Paço do Frevo, no Bairro do Recife. E Romero não estará só no palco. Junto a ele, o grande homenageado do Carnaval de 2018, J. Michiles, o cantor Almério, a grande dama do samba pernambucano, Karyna Spinelli, a diva do brega, Michelle Mello, e a atriz pernambucana Hermila Guedes.

(Foto: Lana Pinho)

“O Frevália nasceu como algo bem despretensioso, sabe? Nasceu como um desejo de mostrar que o frevo é um ritmo tão rico e que pode flertar com outros ritmos, sem perder sua essência. Além disso, fazer com que a gente possa tocar e ouvir frevos durante o ano todo, não apenas no carnaval”, diz Romero.

E assim foi feito. No repertório, Ferro reúne clássicos do frevo, assinados por Capiba, Luiz Bandeira, Nelson Ferreira e tantos outros, mas com uma levada mais pop, com pitadas de afrobeat, de funk, conectando-o com o modo contemporâneo de fazer e vestir uma música.

A idealização e produção geral do Frevália é de Maurício Spinelli. O roteiro foi desenvolvido em parceria com o jornalista e escritor Cleodon Coelho. “É uma honra participar desse projeto. Romero e o Maurício me convidaram para ver a estreia do projeto, há um ano, e fiquei bem impressionado com a força do Romero no palco”, diz Cleodon.

“Começamos a trocar figurinhas e eles me chamaram para desenhar o roteiro. É um trabalho em construção, nunca um roteiro fechado. Tem sempre uma música nova. A sequência muda a cada apresentação. Então, quem vai sempre, nunca vê o mesmo show”, completa o roteirista.

Em Frevália, Romero vai além do óbvio de um show de “frevo” e não se apoia somente nos clássicos. As novas gerações de autores de todo o Brasil também ganham espaço no repertório do Frevália. Frevos de Isaar, Juliano Holanda, Thaís Gulin, Adriana Calcanhotto também figuram no set list.

“Não me prendi apenas a tocar frevos de pernambucanos. Estou sempre escutando coisas de outros lugares. Porque tem muita gente fazendo frevo. Quantas coisas preciosas existem por aí. E o Frevália também serve para isso: para ser palco de novos frevos, seja de artistas pernambucanos ou do restante do país”, conta.

Romero destaca que as canções dos autores mais recentes são feitas no formato clássico do frevo. “A gente toma esse cuidado de fazer as músicas da galera mais nova em frevo mesmo, para que o público identifique que aquilo ali é um frevo novo”.

No caso dos frevos clássicos, que marcaram a história da nossa música, Ferro disse que ainda há um mar imenso a se explorar. “Eu estou sempre pesquisando e vou sempre encontrando muita coisa, até então, pouco conhecida de autores antigos. E procuro sempre trazer essas descobertas para o show. Desde o primeiro Frevália até hoje, sempre tem algo novo”.

Portanto, domingo (26), às 14h, é dia de ir assistir ao Frevália em mais um novo show!

Romero Ferro comemora 1 ano de Frevália
convidados: J. Michiles, Almério, Karynna Spinelli, Michelle Melo e Hermíla Guedes
Domingo (26), a partir das 16h
Paço do Frevo | Praça do Arsenal da Marinha, s/n – Bairro do Recife
Aberto ao público