Quando o expediente chega ao fim, uma animada jornada está prestes a começar para muitos trabalhadores do Centro do Recife que adiam um pouco mais a volta para casa.

Praticamente todas as noites, a partir das quartas-feiras, é assim: a conhecida Rua da Saudade, na sua extensão entre a Rua do Riachuelo e a Avenida Conde da Boa Vista, é tomada por barracas, mesas, cadeiras e pessoas que fazem da via uma verdadeira alameda de diversão e o local preferido para o happy hour do centrão.

6 mantras que não saem da cabeça de quem frequenta a Conde da Boa Vista

(Foto: Manuel Borges/Colaboração)

As pessoas começam a chegar em grupos ou sozinhas. De um lado, bolsa nas costas e crachás pendurados. Do outro, isopor com gelo e cadeiras de plástico empilhadas.

“Tem gente que acha que quando eu saio correndo da empresa é para ir pegar o ônibus vazio. Na verdade, é para pegar um lugar e sentar na barraca”, confessa Kelton Pessoa, 28, assistente administrativo, que faz parte de uma turma que, pelo menos três vezes por semana, troca a mesa do escritório pela mesinha de bar.

Boulevard do Espetinho? Temos! E só poderia ser na Boa Vista

Frequentadora assídua, a agente de viagem, Luciana de Mendonça, 31, não esconde a felicidade de juntar os amigos fora do ambiente de trabalho. “É de lei largar e vir. Faço questão sempre que posso, mesmo quando não bebo, venho comer e conversar com o pessoal. É o nosso Boulevard da Boa Vista”, diz ela, arrancando gargalhadas do grupo.

(Foto: Manuel Borges/Colaboração)

Na verdade, o termo “boulevard” é utilizado para designar avenidas e ruas que foram pensadas a partir de um conceito. No caso do informal Boulevard do Espetinho, ocupado aos poucos pelas barracas, não houve projeto de nenhum urbanista, mas se presta bem ao papel que lhe foi atribuído por seus frequentadores.

São mais de dez barracas ao longo da rua oferecendo não só carne assada no palito. Do tradicional espetinho – passando por versões gourmet do petisco -, cerveja, drinques exóticos, caldinhos e música ao vivo, a Rua da Saudade se consolida como ponto de encontro dos trabalhadores do centrão.

Tem até a versão gourmet do espetinho (Foto: Manuel Borges/Colaboração)

Espetinho do Negão: há 8 anos conectando clientes e amigos

Antes mesmo de anoitecer, o empreendedor Ricardo José, 38, prepara toda a estrutura para receber os fregueses. Ele é o proprietário do Espetinho do Negão, um dos points mais badalados da Rua da Saudade.

Beco da Fome resiste e continua alimentando o Centro do Recife

(Fotos: Manuel Borges/Colaboração)

“Eu ajudava minha sogra no empreendimento dela. Decidi abrir meu próprio negócio e os amigos me incentivaram a divulgar na internet”. E foi o que ele fez. Ao montar o espetinho, tratou de promover a visibilidade no meio digital.

Hoje, com diversos grupos de WhatsApp compostos por centenas de clientes e página no Facebook, Ricardo usa esses canais para avisar sobre promoções e planejar, junto com os integrantes, dias temáticos e festas no estabelecimento. Para participar do grupo basta mandar uma mensagem para o WhatsApp (081) 98856-1482 (Ricardo).

(Fotos: Manuel Borges/Colaboração)

O happy hour da Rua da Saudade é daqueles compromissos que tem hora para começar, e só acaba dependendo da disposição de quem vai trabalhar no dia seguinte.

No entanto, a fidelidade é tão grande que, no Boulevard do Espetinho da Boa Vista, quem bate ponto não são os funcionários das barracas. São os fregueses que o fazem com a maior satisfação.

Por Manuel Borges

Jornalista matuto que trocou o gosto da cana pelo cheiro do mangue. Adora passear por locais, histórias, cultura, picos/festas/bares, personalidades e humor sempre tendo o Centro, o coração da Cidade do Recife, como tema. Instagram: @manecoborges.

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.