É na calçada de uma das esquinas mais simbólicas para o segmento cultural do Recife que poetas e artistas se reúnem, sempre no último sábado do mês, para expressarem sentimentos, insatisfações ou, simplesmente, contemplar as possíveis linguagens das artes.

Criado em 2013, fruto da iniciativa provocativa do poeta Aldo Lins, o Sarau da Boa Vista acontece na Rua do Hospício, Centro do Recife, e é uma maneira de fomento cultural em um local tão representativo para a classe: em frente ao Teatro do Parque, equipamento fechado desde 2010.

Foto: Reprodução

A cada edição um poeta ou poetisa recebe homenagem, o que acarreta em uma rotatividade de público e pensamentos que só vem a somar nesse encontro da música com poesia. “O barato do Sarau da Boa Vista é que sempre se renova, seja por poetas novos, músicos ainda inéditos no Sarau e pelo público diversificado”, diz Aldo.

Com 59 edições realizadas até agora, o Sarau da Boa Vista já recebeu dezenas de poetas, cantores e músicos da região ao longo dos 5 anos de existência e, em setembro, se prepara para uma edição comemorativa e especial.

Boa Vista de resistência e inspiração

Foto: Aldo Lins/Reprodução

Quando Aldo Lins chegou em Pernambuco não imaginava que, futuramente, estaria à frente de um dos mais duradouros movimentos de resistência cultural do Centrão do Recife.

Ele começou a escrever poesias aos 16 anos, depois de ler as cartas que sua mãe recebia de seu tio exilado e enquanto ouvia os cantadores de viola no rádio em Cajazeiras (PB), sua cidade natal.

Quando saiu da Paraíba, há 26 anos, Aldo se estabeleceu na praia do Janga, em Paulista. Mas foi sua mudança para a Boa Vista que o fez florescer de vez para a poesia e integrar ações artísticas na capital.

Foto: Aldo Lins/Reprodução

Na ocasião do lançamento do seu primeiro livro, Alma de Vidro (2002), Aldo recebeu o convite do poeta José Terra para, junto a outros artistas, realizar o Hospício Poético, movimento literário ocorrido na Rua do Hospício durante o ano de 2004.

Com o fim do Hospício Poético, Aldo passou a organizar uma nova forma de promover a poesia no Centro do Recife. Resultado da sua relação íntima com o bairro e o do incentivo de amigos, o Sarau da Boa Vista ganhou vida e solidez, passando a retratar a “poesia praticada nos bares, nas ruas, nas praças, nos mercados públicos, nas pontes do Recife”.

Foto: Aldo Lins/Reprodução

Seja pela inspiração na boemia da Boa Vista para escrever ou por estar à frente do Sarau, Aldo não imagina viver em outro local que não o bairro que o acolheu há 18 anos.

“Sair da Boa Vista? Nunca pensei nisso. Não me vejo morando em outro lugar que não aqui”, diz em conversa com o canal Coração da Cidade.

Entre os poemas dedicados ao bairro, Aldo escreveu Bandeira da Aurora e Mercado da Boa Vista, que podem ser conferidos no blog do autor.

Edição especial e comemorativa

Foto: Reprodução

No mês em que o Sarau da Boa Vista realiza sua 60ª edição será lançada uma antologia reunindo poetas que já passaram pelo recital e de outros estados do Brasil.

A Coletânea Sarau da Boa Vista traz, além do próprio Aldo Lins, nomes como Adriana Barbosa, Adriana Perruci, Gilmar Serra, Carlos Maia, Jetro Rocha, Tamires Drielly, Viviane Barros (RJ) e Vlado Lima (SP). E essa grande celebração da cultura independente do Recife já tem data e hora para acontecer: 29 de Setembro de 2018, às 19 h.

Foto: Reprodução

Considerado pelos artistas um catalisador de diversas vozes sob o prisma da arte e a benção do Teatro do Parque, o Sarau da Boa Vista é a resistência personificada do gueto artístico, identificado com diversos segmentos sociais.

Foto: Reprodução

Para Aldo Lins, um apaixonado pela junção da poesia com o bairro da Boa Vista, o Sarau passou a ser mais que um movimento artístico, mas sua própria força vital. “O Sarau me deu vontade de renascer, de viver”, revela.

Lançamento da Coletânea Sarau da Boa Vista 
Rua do Hospício, em frete ao Teatro do Parque, Boa Vista, Recife – PE
Dia 29 de setembro, sábado,  às 19h
Mais informações: Sarau da Boa Vista no Facebook

Por Manuel Borges

Jornalista matuto que trocou o gosto da cana pelo cheiro do mangue. Adora passear por locais, histórias, cultura, picos/festas/bares, personalidades e humor sempre tendo o Centro, o coração da Cidade do Recife, como tema. Instagram: @manecoborges.

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.