Não bastasse o alagamento que toma conta da Comunidade da Borborema, em Setúbal, toda vez que chove – na verdade, um problema crônico no Grande Recife -, a população ainda é obrigada a enfrentar um derramamento de óleo. É preciso andar em meio à “mistura”.

Na foto que ilustra esta matéria – enviada como cortesia por uma pessoa que frequenta o local, mas preferiu não se identificar -, é possível perceber a presença do óleo por conta do brilho da água. Esse ponto da comunidade, a Rua Coronel Roberto Pessoa Ramos, fica bem bem próximo à garagem de ônibus da empresa Borborema (foto: Ashlley Melo/JC Imagem):

“A gente sofre muito com essa situação. Muita gente aqui teve que suspender suas casas para evitar que a água entrasse, porque, sempre que chove um pouco mais forte, o canal transborda e aqui inunda. Para piorar, esse óleo é de fazer desgosto. Tenho que fazer uma limpeza com sabão em pó e tudo para ajudar a tirar o cheio que fica”, conta uma moradora que vive na comunidade há 40 anos.

“A gente precisa sair no óleo mesmo, fazer o quê?! As crianças têm cansaço, é um cheiro horrível”, relata outra moradora. Ambas preferiram não ter o nome publicado. Quando o nível da água baixa, é possível notar a presença do óleo no solo (foto: Ashlley Melo/JC Imagem):

O PorAqui fez contato com a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife, que foi ao local fazer uma fiscalização. Na última quinta (25), a empresa Borborema foi autuada por irregularidades na garagem de ônibus.

“Ao vistoriar o local, os fiscais constataram contaminação de solo e de água provocadas pelo derramamento de óleo devido à lavagem de peças dos veículos. O imóvel também não possuía licença ambiental para funcionamento. Agora, o corpo jurídico da secretaria avalia a extensão do dano para definir o valor da multa a ser aplicada, que pode chegar a R$ 50 mil”, disse a pasta em nota.

Contactada, a Borborema também pronunciou-se através de nota enviada pela assessoria de imprensa. Restringiu-se a dizer que “teve sua garagem visitada por agentes da Secretaria de Meio Ambiente que solicitaram adequações que serão realizadas pelas empresas”.

Quer sugerir pautas ou fazer críticas construtivas? Escreve para a gente: poraqui@jc.com.br.