Um artista que nasceu na criança João Pessoa Filho aos 3 anos de idade resolveu desabrochar há alguns anos. Hoje com mais de 30, João Blas já trabalha de forma profissional e tem o objetivo de ocupar todo o seu tempo “apenas” com a arte. Por enquanto, metade do dia é dedicada ao trabalho no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

“Esse é o meu desafio para 2018. Eu já tenho aceitado algumas encomendas de quadros e tenho trabalhado em ilustração de livros infantis e pretendo levar a vida dessa forma: usando a ilustração para movimentar financeiramente e a pintura para a minha realização pessoal”, explica João.

O guia das prévias de Carnaval do Recife e de Olinda ?

Enquanto pinta uma tela e outra, João Blas ganha com ilustrações em livros infantis (foto: reprodução)

É nessa realização pessoal que fica a encruzilhada da carreira artística dele. “Na minha pintura, eu faço que eu sinto, o que eu quero expressar. Ela conta muito mais sobre mim como pessoa, e eu quero usar ela pra me expressar e fazer as pessoas refletirem sobre as questões atuais”, comenta.

“Eu não tive formação acadêmica, então é tudo muito intuitivo, em que eu procuro pintar o que eu vejo ou sinto”, acrescenta. Ele ainda explica que tem trabalhado para “sacudir as pessoas do lugar delas misturando contundência com sutileza”.

Tudo começou com o hobby de desenhar. A atividade foi ganhando espaço na rotina de João, e assim ele foi se capacitando até poder trabalhar com isso. “Todas as pessoas precisam desenha. O desenho é um portal para o pensamento”, analisa.

Mas por ter se desenvolvido fora do convívio de outros artistas, ele se vê um tanto isolado em relação à aceitação dos colegas de atividade. “Eu me sinto um pouco fora do contexto do meio artístico, por ter começado já adulto e não ter crescido e não ser do convívio da galera. Eu vejo que alguns me olham meio troncho, mas eu não ligo. Eu sou artista igual a qualquer outro artista”, desabafa.

Enquanto não vira artista full time, João segue pela manhã na correria burocrática de audiência em audiência no TJPE e, à tarde, na criação de suas pinturas. É aí que ele espalha quadros e telas pela sala do apartamento em Setúbal, tendo a vista para o mar como inspiração.

Apesar de ser dentro de casa, o ateliê é visitável, bastando uma ligação para João, para agendar o encontro. As pinturas também estão à venda. O ateliê fica na Av. Boa Viagem, próximo ao Parque Dona Lindu.