Do JC Online

Economizar energia volta a ser uma necessidade para minimizar o impacto do aumento da conta de luz, que será de 11,50% para os consumidores residenciais, incluindo os de baixa renda. O reajuste foi definido ontem pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em Brasília e vai entrar em vigor na próxima sexta-feira, dia 29. Foram estabelecidos percentuais diferentes dependendo do tipo de consumidor. O menor percentual foi de 5,92% para as indústrias de médio porte. O maior ficou em 14,87% e será cobrado aos clientes rurais.

O lado cruel do aumento da energia é que isso traz impacto para toda a cadeia produtiva, aumentando os custos do comércio e da indústria e retroalimentando uma velha conhecida que corrói os salários e aprofunda a crise: a inflação.

A alta do custo de vida oficial do Brasil é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que registrou uma variação de 9,39% nos últimos 12 meses, num período que se encerrou em março último.

O aumento da conta de energia reflete vários fatores. O primeiro é a própria inflação, que está em alta. O segundo é o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), usado para corrigir o contrato de concessão da Celpe, e que ficou em 11,56% nos últimos 12 meses. Os outros fatores são variáveis tão diversas como o custo da geração de energia, as despesas que ocorreram com as térmicas em 2013 e 2014 por causa da falta de água nos reservatórios das hidrelétricas e os encargos setoriais (uma espécie de taxa cobrada na conta de todos os brasileiros).

O efeito médio do reajuste da Celpe foi de 9,99%, quando se somam os reajustes dos consumidores de alta tensão (com uma média de 6,77%) e os da baixa tensão, que tiveram um reajuste médio de 11,66%.

Somente o preço da compra de energia registrou uma variação de 13,55% em relação à tarifa de 2015. Esse item resultou num impacto de 7,16% no reajuste para os pernambucanos.

Já a compra da energia gerada pela Termopernambuco foi responsável por 2,93% desses 7,16%. Instalada em Suape, essa térmica também pertence ao Grupo Neoenergia, o dono da Celpe. “A Termopernambuco representou quase 40% do impacto que a compra de energia teve no reajuste”, diz o membro do Instituto Ilumina Nordeste, Antonio Feijó.

Os encargos setoriais tiveram uma alta de 11,37% em comparação com os valores referentes a 2015 e um impacto médio de 1,65%. Somente o Encargo de Energia de Reserva contribuiu com 2,05% do atual aumento médio da Celpe. Também foram retirados encargos financeiros (dos empréstimos tomados para bancar uma parte das térmicas), que tiveram um impacto de -4,42%.

O atual aumento também anula o alívio que deveria ocorrer com a entrada da bandeira verde – implementada a partir de 1° de abril –, que deveria trazer uma redução de 3,7% na conta dos pernambucanos. Essa “folga” será sentida apenas por 28 dias.

Também chama a atenção o percentual da conta de luz que fica com os governos: 40%. O governo do Estado fica com 22,9% via Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços; 5,5% é o PIS/Cofins recolhido pela União e 12% são encargos setoriais, também cobrados pela União.

Manutenção evita desperdício

Prestar atenção aos equipamentos da casa ou escritório é o primeiro passo para quem deseja economizar na conta de luz. “O ar-condicionado e a geladeira são os eletrodomésticos que mais causam impacto no consumo. A primeira dica é adquirir equipamentos que tenham os selos Procel ou A, do Inmetro”, explica o gerente da Celpe, Evandro Simões. Segundo ele, só a partir de junho o consumidor vai sentir o reajuste integralmente.

Para evitar desperdício em tempos de energia cara, é necessário atentar para a manutenção dos eletrodomésticos. No caso do ar-condicionado, por exemplo, é preciso limpar sempre os filtros. Sem esse cuidado, o aparelho gasta mais energia para deixar a temperatura amena. A borracha da geladeira é outra que merece atenção, para que o equipamento esteja sempre bem vedado. Caso contrário, a temperatura interna do eletrodoméstico sobe e o compressor trabalha mais, consumindo uma quantidade maior de energia.

Apesar de mais caras, as lâmpadas de LED são 80% mais eficientes do que as incandescentes e até 30% mais econômicas do que as fluorescentes compactas. “No caso da de LED, o preço alto da compra é compensado pela economia”, diz Evandro.

Assim como o consumidor residencial, a cadeia produtiva também é diretamente afetada pelo reajuste da energia. “Esse aumento é mais um problema para o varejo. Não vamos conseguir repassá-lo aos consumidores com as vendas deprimidas. É uma situação muito difícil”, diz o diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-Recife) e presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Recife, Frederico Leal. Consultora da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), Conceição Cavalcanti diz que o aumento da energia pesa muito para a indústria nesse momento. “É menos dinheiro circulando no bolso do consumidor, que vai comprar menos”, resume.

O aumento da conta de luz pode afetar outras tarifas, como a de água, já que a Compesa é uma grande consumidora de energia. Ontem, a estatal não se pronunciou.

Para se ter uma ideia do efeito em cadeia desse reajuste, em condomínios residenciais, a fatura de água representa 30% das contas, segundo o presidente do Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi), Elísio Correia Júnior.

LEIA TAMBÉM

Poda irregular deixa parte de Setúbal sem energia

Moradores de Setúbal são afetados por falta de luz, de novo