Setúbal é um bairro que reúne classes, tribos e gerações diferentes de uma forma desorganizadamente harmoniosa. Atrai para si quem vem de fora e quer estar em um lugar mais tranqüilo, quem tem sede de mundo e quem quer ter liberdade com pés no chão. Inexiste fator mais comum que grandes amizades e parcerias nascidas entre as gôndolas das padarias daqui e as portarias dos condomínios.   

Foi entre alguns "boa noites" na portaria que eu conheci Valnei: tatuador, body piercing e especialista em suspensão humana. Foi entre gôndolas de padaria e estúdios de tatuagem que Valnei e Clayton se conheceram. Essa entrevista é um retrato de uma amizade de longa data e de uma parceria que vem dando certo, frutos das idas e vindas por dentro do bairro.

Num ponto comercial pequeno, logo no início da Av. Conselheiro Aguiar, fica a Barbearia Clayton Andrade Men's Hair e dentro dela o Cash Tattoo Studio. Uma barbearia e bar no melhor estilo retrô e um estúdio de tatuagem num espaço integrado. Foi lá que fui conversar com Valnei e apresentá-lo a vocês. E também onde fui conhecer Clayton, que já tinha visto algumas vezes por aqui.

1. Valnei, Clayton,  há quanto tempo vocês moram em Setúbal?

V: Eu moro faz 31 anos. Vim quando tinha dez anos, de São Paulo, com minha família, e moro no mesmo lugar até hoje.

C: Eu vim faz uns 10 anos. Vim de São Paulo para passar um mês e não quis mais voltar. Minha família, que é daqui mas estava morando lá, acabou vindo aos poucos, hoje moram todos aqui.

2. E como foi que surgiu essa parceria? 

C: Eu trabalhei muitos anos em produção de eventos, até que decidi que queria ter meu próprio negócio. Minha formação é em marketing, então as ideias fluem muito bem. Fiz uma pesquisa de mercado e vi que o ramo [de barbearia] era algo que estava em ascensão. Fiz alguns cursos, me especializei e uni o útil ao agradável, porque vi que era uma coisa que eu gostava de fazer.  Comecei tem dois anos e meio nesse ramo, meio "fundo de quintal", como todo mundo, depois fui crescendo e vim para cá tem dois meses.

V: Também já tinha trabalhado com outras pessoas, mas estava querendo ter meu próprio negócio, meu espaço, então acabou sendo uma junção de interesses. A gente já se conhecia, de quando eu trabalhava em outro estúdio dentro de Setúbal e acabou se encontrando um dia desses. Trocando uma ideia, a gente viu que tinha o mesmo objetivo. E surgiu a ideia dessa parceria, que está dando muito certo.

3. Valnei, quando eu te conheci, você já trabalhava com piercing, eu ainda cheguei a colocar um contigo na época… Mas e a tattoo, de onde surgiu essa mudança?

V: Eu já vinha trabalhando com esse lace de mudanças no corpo, então vim no mesmo ritmo, só que mudei de ramo do piercing para a tattoo.

4. E a suspensão?

V: Essa eu continuo fazendo, só que não mais aqui no Brasil, faço mais fora. Já andei o País inteiro, menos alguns Estados do Norte, fazendo suspensão. Também já fiz para Colômbia, Costa Rica, Nicarágua, Argentina e Uruguai. Vou para a Argentina de novo daqui a quinze dias para um evento.

5. E de onde surgiu essa ideia, de suspender pessoas através da pele?

V: Vi uma imagem uma vez, numa revista. As imagens eram tão fortes que as páginas eram coladas, não gostei nem um pouco do que vi. Depois vi outras fotos e me intrigou, porque vi que tinham brilho nos olhos, e isso me despertou interesse. Comecei a pesquisar e descobri que era um ritual de mais de dois mil anos, e aé decidi provar. Foram anos de pesquisa, de ir atrás de achar alguém que fizesse,  até que achei a BH. Fui ate lá, fiz e acabei me especializando nisso. Depois viajei por boa parte do Brasil e em alguns países formando grupos e pessoas que queriam aprender ou apenas experimentar a suspensão humana.

6. Como é a relação de vocês com o bairro de Setúbal?

V: Tudo para mim é no bairro, eu quase não conheço o resto da cidade – falando sério. Um dia desses um amigo me levou naquela passarela que fizeram de um lado para outro do shopping, no centro, e eu fiquei besta porque nem sabia que tinham feito. Tudo o que eu faço é em Setúbal: meu trabalho, a academia, a praia onde eu corro, é onde minha filha mora, eu fico muito por aqui.

C: Eu sou mais andarilho, conheço um pouco mais o resto da cidade. Como já tive moto, andava muito fim de semana, mas hoje vivo mais em Setúbal, até por conta do trabalho, e também tudo o que a gente precisa encontra por perto.

7. E o que acham que precisa melhorar?

C: De tão tranquilo está ficando esquisito, meio perigoso, eu mesmo já fui assaltado perto de casa.

V: é muito escuro e estava ficando muito violento. Venho acompanhando as coisas e vejo que essa violência está diminuindo, mas a iluminação precisa melhorar muito, tem rua que a noite é um breu.

* A Barbearia Clayton Andrade Men's Hair e o Cash Tattoo Studio ficam no mesmo local: Av. Conselheiro Aguiar, 4887 – Boa Viagem, Recife – PE. Quer conhecer mais do trabalho dos dois? Clique aqui e aqui.

*Paula Rúbia Torres é cientista social, advogada no escritório Queiroz Cavalcanti Advocacia e moradora do bairro

Seu vizinho tem uma história interessante para contar? Entra em contato com a gente: poraqui@jc.com.br.