Existem alguns textos que nascem muito antes de existirem, este aqui é um desses. Ele nasceu há pelo menos um ano, quando conheci Beethoven e seu food truck, nas redondezas de Setúbal.

Há muito tempo eu procurava um local no Recife para comer carnes especiais, suculentas e temperadas com história. Foi quando me deparei com o Picuí Truck Grill, na Rua Major Armando Souza de Melo em frente à academia HI.

Biu, o ascensorista do Recife Antigo

Numa das primeiras idas lá, encontrei um conhecido que cantou a bola: ¨Beethoven é filho do dono daquele restaurante que tinha no Derby e em Boa Viagem, Recanto do Picuí. O pai dele faleceu, ele e sua mãe quase enlouqueceram com as dívidas trabalhistas que ficaram e aqui está ele com esse food truck¨.

Aquilo me chamou atenção. Ali havia uma história, um significado, que convidava a uma experiência diferenciada. Entendi rapidamente que aquele food truck recém-inaugurado estava repleto de tradição e persistência. Ali havia um empreendedor perseguindo seu sonho e acima de tudo, sua vocação.

Carne na chapa, os molhos e a simpatia de Beethoven são alguns dos atrativos do food truck

A partir de então, comecei a frequentá-lo mais assiduamente e provar todos os cortes do cardápio. Aos poucos comecei a puxar conversa com aquele rapaz simpático e de sorriso fácil que comandava a ¨parrilla¨.

Família

Sua esposa Isabel ficava no caixa, assim como seu filho brincava ali na calçada, nitidamente aprendendo o ofício do pai em tom de brincadeira. Ao ser atendido por aquela família, senti que estava diante do que posso chamar da renovação do comércio de bairro.

Aos poucos, fui me aproximando de Keyla, que monta os pratos, do também empreendedor e sócio no negócio, Jotinha, e de Paulinho, sempre cuidando do fogo. A família de Beethoven se estendia aos seus funcionários.

Vou lhe ser sincero, toda essa prosa e experiência tem relevância, mas de nada teria valor se não fosse o sabor das carnes. A picanha argentina, o bife de chorizo, as linguiças cuiabanas e de bode, o frango com parmesão e os molhos…..ah,  os molhos! Jamais deixe de experimentar o barbecue com goiabada ou o chimichurri. Tudo criação do carismático Fernando.

Beethoven é um daqueles caras que emanam luz. Trabalhador pesado, com ele não tem tempo ruim. Já o vi queimar seriamente a mão e continuar comandando a churrasqueira por mais 5 horas, até o último cliente.

Nas férias, ele costuma ir pro sertão, resgatar a história da família. Nas últimas fez a rota do Cangaço, no Pajeú. Volta sempre com novidades. O Sertão ajudou a forjar seu caráter, abundante de força e humildade.

O melhor disso tudo é que ele tem a capacidade de expandir sua família. Quando é Natal, aniversário ou outras datas festivas, ele liga para minha mãe antes de mim e toda vez que piso no food truck perguntam como ela está.

É por essas e outras que esse texto nasceu há muito tempo, como nasce a cada nova interação que tenho com Beethoven e seu time. Porém, só agora ele existe de fato. Vida longa ao Picuí Truck Grill!

 

Diego Garcez é sobretudo poeta, mas encontrou na crônica uma forma de diálogo mais palatável para o mundo das pernas aceleradas. É formado em relações internacionais, empreendedor e entusiasta do Porto Digital, corredor nas horas vagas e pai em tempo absolutamente integral. Facebook: Diego Garcez | Instagram: @garcezdiego

 

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.