A avenida arborizada que margeia o canal e corta Setúbal desde Boa Viagem até Piedade leva o nome de Visconde de Jequitinhonha. Mas você sabe quem foi esta figura, seus feitos e o que ele pode ter a ver com nosso lugarzinho do coração? Pois siga na leitura e descubra que, muita mais que beleza, essa rua tem um nome com uma boa história.

Visconde de Jequitinhonha é o título de nobreza recebido por Francisco Gomes Brandão ou, melhor dizendo, Francisco Jê Acaiaba Montezuma, político e advogado brasileiro nascido em Salvador no ano de 1794, filho de um comandante português e de uma negra. E o que ele fez pra entrar na história e ser nome de rua?

Av. Visconde de Suassuna

História

Contrariando a vontade de seu pai, não levou adiante a vida religiosa nem tampouco a escola de medicina. Acabou mudando-se para Coimbra, Portugal, formando-se doutor das leis.

Filho de uma negra, não fugiu aos seus, sendo um dos pioneiros na luta pela emancipação dos escravos. E não parou por aí! Foi também um dos fundadores da Ordem dos Advogados (OAB) e lutou incansavelmente pela independência do Brasil. Aliás, foi nessa época que passou a adotar o nome de Francisco Jê Acaiaba Montezuma com sobrenomes de origem africana, tupi e asteca. O cara queria mesmo marcar presença.

Nosso Visconde de Jequitinhonha fundou ainda a sociedade secreta Jardineiros (olha a associação com a avenida toda cheia de árvores!), principal defensora do movimento constitucionalista e publicou o jornal Diário Constitucional para ser a voz separatista de Portugal.

Foi deputado baiano, preso e deportado para a Europa. Ministro da Justiça em 1837, Ministro dos Estrangeiros, presidente honorário da OAB, senador e, em 1854, recebeu o título que nos é tão familiar, Visconde de Jequitinhonha.

Tudo a ver com Setúbal, que reúne e integra gente de tudo que é diferença e quer ser independente de Boa Viagem (mas sem briga, claro!)